• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Maurício Destri se incomoda com perguntas de jornal e explica: Amor não tem diferença de sexo

  • COMPARTILHE
Entretenimento

Maurício Destri se incomoda com perguntas de jornal e explica: Amor não tem diferença de sexo

O ator evita fazer comparações da vida particular com o personagem bissexual que interpreta em 'Os Dias Eram Assim'. Mas falou sobre o assunto com detalhes e pediu respeito

Redação Folha Vitória

Maurício Destri não quer saber de polemizar seu trabalho nas telinhas! De acordo com o jornal Extra, o ator considerou algumas perguntas feitas por leitores da publicação inapropriadas e não respondeu detalhes mais íntimos sobre a construção de seu personagem Leon, em Os Dias Eram Assim. O ator não quis fazer comparações de sua vida com o personagem bissexual, nem revelar que realmente teria dispensado o uso de tapa-sexo nas cenas mais picantes ou como foi gravar as sequências mais ousadas.

No entanto, Destri respondeu sobre os aprendizados que tem tido com o novo trabalho:

- Aprendi a respeitar as diferenças. Estou vivendo, na ficção, o preconceito de ser bissexual. Fica na pele a energia desse movimento. Passei a olhar, de verdade, para as pessoas que são diferentes de mim, sem julgamentos, sem preconceitos. Posso dizer que me sinto mais leve, mais conectado, mais firme.

O ator acredita ainda que seu personagem não levanta nenhuma bandeira sobre a sexualidade, mas a encara de forma natural:

- Os personagens não levantam bandeira, eles existem em sua forma natural. Amor não tem diferença de sexo. Amor é amor. Ainda assim, o Brasil é o país que mais mata travestis e transexuais. Em 2016, foram 127 casos, cerca de um a cada três dias. Algo tem que ser feito! É urgente! Acho importante ressaltar que as pessoas, héteros, gays, lésbicas, bissexuais, transexuais, têm os mesmos sentimentos que qualquer outro ser humano. Sentem fome, dor, gostam de rir, chorar, têm prazer, dançam, cantam, dormem e acordam novamente. Quando entendermos que somos todos iguais em suas diferenças, daremos um passo para uma evolução espiritual.