• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Chuva aumenta vazão de rios do ES e ambientalista faz alerta

  • COMPARTILHE
Geral

Chuva aumenta vazão de rios do ES e ambientalista faz alerta

O rio Jucu apresentou vazão de 132.540,35 (l/s), volume quase seis vezes maior do que a média mensal de longa duração, que é de 22.706,52 (l/s)

Redação Folha Vitória

As chuvas que caíram no Espírito Santo nos últimos dias provocaram um grande aumento na vazão nos rios Jucu e Santa Maria da Vitória, de acordo boletim divulgado nesta quarta-feira (6), pela Agência Estadual de Recursos Hídricos (AGERH). O Rio Doce apresenta, atualmente, nível estável e segue fora do estado de alerta, segundo boletim extraordinário do Sistema de Alerta Hidrológico da Bacia do rio.

O rio Santa Maria da Vitória está com vazão de 99.381,00 (l/s), pouco menos que o triplo da média mensal de longa duração, que é de 38.953,74 (l/s). Já o rio Jucu, apresentou vazão ainda maior: 132.540,35 (l/s), volume quase seis vezes maior do que a média mensal de longa duração, que é de 22.706,52 (l/s).

Registros do rio Doce no dia 14 de outubro [esq.]e  no último domingo (3) [dir.]

Devido as fortes chuvas, a Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM), está enviando um boletim com as previsões dos níveis dos rios monitorados pelo Sistema de Alerta Hidrológico da Bacia do rio Doce. O nível atual do Rio Doce, em Colatina está em 408 (cm), com tendência a permanecer estável. O nível de alerta é 570 (cm) e o de inundação é 620 (cm).

De acordo com o ambientalista Eduardo Pignaton, os volumes registrados são significativos, porém servem como um aviso. "De certa forma, esses volumes não são para comemorar. Fica uma pergunta: por que a água está indo embora para o mar tão rápido? Ela deveria ter sido infiltrada no solo. O que aconteceu foi que a água foi para a calha do rio pelo fato de não ter um sistema para reter essa água", comenta.

O ambientalista afirma que não choveu tempo suficiente para que todos esses volumes fossem registrados nos rios. "Os rios deveriam ter mais perenidade. Toda a água da chuva que caiu não infiltrou, por isso o volume aumenta tão rápido. Grande parte dessa água deveria estar infiltrando no solo para abastecimento do lençol freático e isso se faz com caixas secas", diz.

Eduardo revela, entretanto, uma boa notícia para os rios: "Durante o período de seca, os esgotos se acumularam nos córregos e as chuvas que caíram fazem uma espécie de limpeza, lavando os córregos e revitalizando os rios", finaliza.

Abastecimento

O Rio Jucu tem uma extensão de 169,5 km, desde a nascente, em Domingos Martins, até a foz, na Barra do Jucu, em Vila Velha. O Jucu é responsável pelo abastecimento de água de 60% da população da Grande Vitória, nos municípios de Vila Velha, Viana, Cariacica e Vitória.

Já o Rio Santa Maria da Vitória nasce na localidade de Alto Santa Maria, no município de Santa Maria de Jetibá, e deságua na Baía de Vitória, percorrendo 143,4 km. Ele nasce em Santa Maria, Santa Leopoldina, parte Cariacica, corta Serra e deságua na Baía de Vitória. O rio abrange cinco municípios capixabas: Santa Maria de Jetibá e parte dos municípios de Cariacica, Santa Leopoldina, Serra e Vitória.

Rio Itapemirim

As chuvas registradas nos últimos dias no Espírito Santo também provocaram aumento do nível do rio Itapemirim. A imagem abaixo, registrada em setembro deste ano, mostra a condição em que se encontrava o rio. Veja:

Já o vídeo a seguir, gravado no início da semana, apresenta como o rio ficou após as chuvas. Confira:

O rio Itapemirim abrange o Espírito Santo e uma parte de Minas Gerais, com uma ma área de drenagem de 6.014 Km². São cortados pelo rio os municípios capixabas de Cachoeiro de Itapemirim, Vargem Alta, Castelo, Venda Nova do Imigrante, Conceição do Castelo, Muniz Freire, Iúna, Ibatiba, Ibirirama, Alegre, Jerônimo Monteiro, Muqui, Atílio Vivacqua e Presidente Kennedy.