• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Dois presos e um agente penitenciário morrem em rebelião em Goiás

  • COMPARTILHE
Polícia

Dois presos e um agente penitenciário morrem em rebelião em Goiás

Incidente durou cerca de 10 horas e foi controlada por policiais do Batalhão de Operações Especiais, na manhã desta segunda-feira

Redação Folha Vitória

Um agente penitenciário e dois detentos foram mortos durante uma rebelião no Centro de Prisão Provisória de Luziânia (GO), no Entorno de Brasília. Segundo a Superintendência Executiva de Administração Penitenciária de Goiás (Seap), a rebelião durou cerca de 10 horas – das 23h30 desse domingo (10) às 9h30 desta segunda-feira (11), quando foi controlada por policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope).

Inicialmente, a informação era que quatro pessoas haviam morrido no incidente, mas o número foi corrigido pela superintendência em nota divulgada no começo da tarde. Segundo a Seap, um dos mortos é o vigilante penitenciário temporário Valdson Cardoso de Oliveira, que foi feito refém pelos presos, baleado na perna e não resistiu ao ferimento. Os dois presos assassinados são Sílvio de Jesus Silva, de 38 anos, e William Rosa da Silva, de 29 anos.

Outros dois agentes também foram feitos reféns pelos presos rebelados. Um deles, cujo nome não foi divulgado, também foi ferido durante a confusão, mas a Seap não informou a gravidade do ferimento e o atual estado de saúde do vigilante.

O motim começou por volta das 23h30 desse domingo. Segundo a Seap, presos simularam que um dos detentos passava mal. Quando os agentes penitenciários entraram na cela para ajudar o preso, foram rendidos e desarmados.

Durante as negociações para o fim do motim, os presos rebelados chegaram a exigir a presença da imprensa no local. Membros do Ministério Público de Goiás e da seccional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-GO) acompanharam as negociações. Em nota, a OAB lamentou a morte do agente penitenciário e destacou “a competência e habilidade” com que as polícias Civil e Militar “evitaram uma tragédia de proporções maiores”.

As causas da rebelião e os responsáveis pelas mortes estão sendo investigadas.