Polícia pede prisão de suspeita de matar secretário no Sul do Estado

Polícia

Polícia pede prisão de suspeita de matar secretário no Sul do Estado

Carla Rogério Ribeiro vai responder pelo crime de homicídio por motivo fútil. O taxista que a conduziu ao local do crime também será indiciado

Redação Folha Vitória

A Polícia Civil solicitou o mandado de prisão preventiva contra Carla Rogério Ribeiro Lima, 46 anos. Ela é a principal suspeita de matar um secretário municipal de Itapemirim, região Sul do Estado. José Mauro Sales foi morto a tiros dentro da própria casa no início deste mês, em Itaoca.

De acordo com o delegado titular da 9ª Delegacia Regional de Itapemirim, Djalma Pereira Lemos, os indícios do crime delimitaram as investigações para identificar o suspeito. "A vítima foi baleada nas mãos e tentou fazer uma defesa. Ele levou quatro disparos nas costas, onde concluímos que quem praticou o crime não foi um profissional", explicou.

De acordo com a polícia, Carla ocupava o cargo de diretora de Defesa Civil do município. No início de agosto, ela foi desligada do cargo e não se conformava. A empresa do marido da suspeita tinha contratos com a prefeitura para a realização de eventos, mas passou a ter problemas com novas licitações. O setor era chefiado pela vítima.

Para o secretário de Segurança Pública, André Garcia, elementos apontam que a autora tinha interesse na morte da vítima. "Tinha interesse por ter sido exonerada do cargo e atribuía à vitima a responsabilidade pelos prejuízos que supostamente teriam sido impostos a ela", disse.

Imagens das câmeras de segurança da região ajudaram a identificar a autoria do crime. Segundo a polícia, Carla chegou à casa do secretário em um táxi. Poucos minutos depois, ela deixou o local no mesmo veículo. Segundo o delegado, o taxista confirmou que levou a suspeita até o local do crime e a reconduziu até a residência após os disparos. "Dentro do táxi, ele teria ouvido ela dizer que iria matar alguém, mas ele não sabia que ela iria realmente concretizar a ação", relatou.

As investigações apontaram que a arma utilizada pertence ao marido de Carla e era mantida na casa do casal de forma irregular. O revólver calibre 39 foi encaminhado para a perícia. Para a polícia, o companheiro contou que a suspeita chegou a informar que mataria o secretário, mas a família não acreditou que isso pudesse ocorrer.

A polícia ainda informou que a suspeita desapareceu um dia após o crime. A ex-diretora de Defesa Civil deve responder pelo crime de homicídio por motivo fútil e sem possibilidade de defesa da vítima. O motorista que conduziu a suspeita também pode ser indicado pelo assassinato do secretário.