Trio é condenado por assassinar homem de maneira cruel em Ecoporanga

Polícia

Trio é condenado por assassinar homem de maneira cruel em Ecoporanga

Vítima foi morta a tiros e a golpes de facão e, em seguida, decapitada pelos criminosos. A moto do homem ainda teria sido roubada por um dos suspeitos

Redação Folha Vitória

Três pessoas foram condenadas por terem assassinado um homem de maneira cruel, no início do ano passado, no interior de Ecoporanga, região noroeste do Estado. A vítima foi morta a tiros e a golpes de facão e, em seguida, decapitada pelos criminosos. Um dos criminosos ainda teria roubado a moto da vítima após o homicídio. O crime aconteceu em janeiro de 2016, no distrito de Joassuba.

Os nomes dos réus não foram divulgados, pelo fato de algumas informações referentes ao processo estarem sob segredo de justiça. O principal acusado pelo crime foi condenado a 20 anos e oito meses de reclusão, em regime fechado. Outro suspeito recebeu a pena de 15 anos e nove meses de reclusão, também em regime fechado. Já o terceiro réu, que era menor de 21 anos à época do crime, foi condenado a 14 anos e nove meses de reclusão, também em regime fechado.

O julgamento foi realizado na última quarta-feira (06), no fórum do município. De acordo com a sentença do juiz Douglas Demoner Figueiredo, que presidiu o Tribunal do Júri, as circunstâncias do crime são extremamente graves, pois o principal réu teria abordado a vítima com os outros comparsas, “desferindo vários disparos de arma de fogo e, ainda, golpes de facão no pescoço, decapitando-a, além de arrastá-la pela rua e chutar a sua cabeça”, destaca a sentença.

O Júri reconheceu que a motivação do crime foi torpe, pois ele teria sido cometido pelo fato da vítima ter supostamente agredido o pai do acusado. De acordo com a sentença, não foi concedido ao réu o direito de apelar em liberdade, em razão do mesmo ser reincidente, por existirem outros mandados de prisão expedidos contra o mesmo e pelo fato de ter sido apreendido em outro município, “na tentativa de empreender fuga do distrito da culpa”, diz a sentença.