• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

ANP orienta consumidor capixaba na hora de abastecer o veículo

  • COMPARTILHE
Economia

ANP orienta consumidor capixaba na hora de abastecer o veículo

A ação feita em comemoração ao Dia do Consumidor segue até às 18 horas

Uma ação da Agência Nacional de Petróleo (ANP), realizada nesta quinta-feira (15) em um posto de combustíveis de Jardim da Penha, em Vitória, vai ensinar os consumidores a não se enganarem na hora de abastecer o veículo e saberem se o combustível tem o percentual certo de álcool.

A ação feita em comemoração ao Dia do Consumidor teve início na manhã e deve seguir até às 18 horas. O fiscal da ANP Márcio Ferreira explicou que qualquer consumidor tem o direito, se desconfiar do combustível, pedir para o frentista realizar um teste. 

"Nós queremos orientar o consumidor a realizar alguns testes em campo para saber a procedência e se a qualidade do combustível está realmente seguindo as orientações da ANP. Vamos orientar fazer o teste da gasolina comum, aditivada, ver a questão do dísel, o dísel S10, o S500, orientar o consumidor a exigir o teste na hora. Se suspeitar de alguma coisa, exigir o teste da bomba para saber se a vasão é a mesma que está marcando no visor", explicou o fiscal da ANP.

Por conta disso, a ANP também está divulgando uma cartilha com 10 orientações para a população garantir o seu direito ao abastecer. Confira as dicas!

1: Combustível não tem preço tabelado: Desde 2002, não há qualquer tipo de tabelamento, valores máximos ou mínimos, nem autorização prévia da ANP para reajustes. Para orientar sua compra, consulte a pesquisa semanal de preços da ANP na internet, também disponível em celular.

2: Pague pelo que vê: Preço é item importante na decisão de compra. Por isso, a ANP exige que o posto exiba os preços dos combustíveis bem visíveis em painel logo na entrada, dia e noite. O preço de um combustível exibido no painel deve ser igual ao cobrado na bomba. Cuidado com as falsas promoções.

3: Confira a origem do combustível: O posto deve informar claramente de onde vêm seus produtos. Os postos de bandeira branca (sem distribuidora exclusiva) têm que informar - em cada bomba - qual distribuidora forneceu o combustível. Quando a gasolina, o etanol ou o diesel forem aditivados, o posto deve expor claramente essa informação na bomba de combustível.

4: Fique de olho no etanol hidratado: O etanol adequado para motores deve ter teor alcoólico entre 92,5% e 95,4%. Ou, no caso do etanol premium, ter entre 95,5% e 97,7%. Mas como você pode conferir essa especificação? Simples: consulte o termodensímetro, equipamento obrigatório que deve estar fixado nas bombas de etanol. Observe o nível indicado pela linha vermelha, que precisa estar no centro do densímetro - não pode estar acima da linha do etanol. Observe também se o etanol está límpido, isento de impurezas e sem coloração alaranjada. Caso você constate situação diferente, entre em contato com a ANP pelo Centro de Relações com o Consumidor.

5: Verifique a certificação da bomba: Os equipamentos medidores (bomba medidora para combustíveis líquidos ou dispenser para GNV) de todos os postos devem – obrigatoriamente – estar aferidos e certificados pelo Inmetro ou por instituição por ele credenciada.

6: Peça o teste de prova: Se você suspeitar da qualidade de uma gasolina, pode e deve pedir no posto que seja feito, na hora, o “teste da proveta”, que mede a porcentagem de etanol anidro misturado à gasolina. Conheça os detalhes do teste no link Qualidade dos Combustíveis.

7: Não caia no golpe da "bomba baixa": Exija o teste de volume: caso desconfie que a quantidade de combustível abastecida no tanque do carro é menor do que a registrada na bomba, peça ao posto para testar o equipamento na sua frente. No teste, o representante do posto deve utilizar medida padrão de 20 litros aferida e lacrada pelo Inmetro. A diferença máxima permitida é de 100 ml para mais ou para menos. Se a quantidade estiver abaixo de 100 ml, você pode estar sendo alvo do chamado “golpe da bomba baixa”. Denuncie à ANP.

8: Saiba o que o posto não pode:

• Vender combustível impondo a condição de que o cliente compre outro produto ou serviço. Isso é “venda casada”, proibida por lei;
• Limitar a quantidade de combustível que vende a cada cliente;
• Recusar a realização de testes previstos na legislação, quando solicitados pelo consumidor (exemplo: teste de volume, teste de proveta).

9: Exija sempre a nota fiscal: E não deixe de guardá-la! A nota fiscal é a prova de que você comprou o combustível naquele posto.

10: Caso suspeite de irregularidade: Informe o ocorrido à ANP, pela internet ou pelo telefone 0800 970 0267 (ligação gratuita). Para registrar sua manifestação, quanto mais informações você tiver sobre o posto – como CNPJ, razão social, endereço e distribuidora –, melhor. Estas informações constam em adesivos aplicados nas bombas e no quadro de avisos do posto de combustíveis.