• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Setor de aço pede que Temer ligue para Trump

  • COMPARTILHE
Economia

Setor de aço pede que Temer ligue para Trump

Presidente do Conselho Diretor do Instituto Aço Brasil quer livrar os produtos siderúrgicos brasileiros da sobretaxa de 25%

O presidente do Conselho Diretor do Instituto Aço Brasil, Alexandre Lyra, pediu nessa terça-feira, 20, ao presidente Michel Temer que telefone ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para tentar livrar os produtos siderúrgicos brasileiros da sobretaxa de 25% que será aplicada a partir do próximo dia 23. Segundo Lyra, Temer se comprometeu a fazer o contato.

O setor avalia, segundo Lyra, que uma negociação governo a governo pode ser mais rápida do que a via formalizada na segunda-feira pelo Departamento de Comércio dos EUA, quando foi apontada a possibilidade de exclusão de alguns produtos mediante pedidos de pessoas ou empresas americanas. O regulamento diz que o processo deve durar 90 dias, mas as empresas temem que ele tome mais tempo do que isso. Essa via é a preferida também pelo setor de alumínio, sobre o qual incidirá taxa de 10%.

A negociação governo a governo é um caminho possível. Porém, os EUA ainda não abriram conversas com o Brasil. Já foram enviadas cartas ao secretário de Comércio, Wilbur Ross, e ao representante de Comércio, Robert Lighthizer, pedindo para negociar. Porém, ainda não há resposta.

Lyra expôs os argumentos que o presidente pode usar na conversa. Primeiro, 80% do que o Brasil exporta é reprocessado nos EUA. "Não roubamos emprego de metalúrgico americano", frisou Lyra. Além disso, o Brasil é o maior importador de carvão americano, com compras de US$ 1 bilhão. "Tem essa complementaridade", disse.

Na relação comercial, o Brasil acumulou déficit de US$ 90 bilhões com os EUA na última década. Se for considerado o setor de serviços, o déficit chega a US$ 250 bilhões. Ou seja, a relação é favorável aos EUA.

O setor também pediu a Temer que reveja a decisão tomada pela Câmara de Comércio Exterior (Camex) em janeiro deste ano, que concluiu pela aplicação de uma sobretaxa antidumping sobre o aço importado da China e da Rússia, mas adiou a aplicação da medida por um ano. "Ganhamos, mas não levamos", disse. O setor sustenta que, com a decisão dos EUA de sobretaxar, o quadro mudou. Isso justificaria uma revisão.

Alumínio

O presidente executivo da Associação Brasileira de Alumínio, Milton Rego, disse que para as exportadoras brasileiras do produto o ideal é haver uma negociação governo a governo, pois os compradores americanos de seus produtos não são grandes empresas, ao contrário do que acontece com o aço. As vendas são mais pulverizadas. As exportações de alumínio para os EUA somam US$ 150 milhões, enquanto as de aço são de US$ 2,6 bilhões. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.