Comerciantes voltam a trabalhar após 20 dias no ES, mas lamentam prejuízo causado por fechamento

Economia

Comerciantes voltam a trabalhar após 20 dias no ES, mas lamentam prejuízo causado por fechamento

Depois de ficarem sem poder abrir as portas desde o dia 18 de março, quando o governo estadual decretou fechamento total em todo o Espírito Santo, muitos comerciantes afirmam que têm amargado prejuízos

Foto: TV Vitória

Após quase três semanas de medidas mais restritivas para tentar conter o avanço do novo coronavírus, estabelecimentos considerados não essenciais voltaram a abrir as portas nesta quarta-feira (7) nas cidades capixabas classificadas como risco extremo para a covid-19. Entretanto, depois de ficarem sem poder abrir as portas desde o dia 18 de março, quando o governo estadual decretou fechamento total em todo o Espírito Santo, muitos comerciantes afirmam que têm amargado prejuízos.

Entre os estabelecimentos que voltaram a funcionar nesta quarta-feira, nas cidades de risco extremo, estão shoppings, lojas do comércio de rua, casas lotéricas, restaurantes e salões de beleza. No entanto, o funcionamento deve seguir restrições de dias e horários.

As medidas que permitem a reabertura foram apresentadas pelo governador Renato Casagrande, juntamente com o novo mapa de risco, na última semana. Elas alcançam toda a Grande Vitória e cidades de grande porte populacional como Linhares, Cachoeiro de Itapemirim e Colatina. Um novo mapa deve ser divulgado na sexta-feira (09), mas as regras são válidas, pelo menos, até a próxima semana.

Para a comerciante Maria Helena Quarto Amaral, o dia começou diferente nesta quarta-feira. Após 20 dias fechada, a loja de decoração dela amanheceu com as portas abertas. "Está sendo bem complicado para a gente ficar de porta fechada. A gente está um pouco mais aliviada, que está com a porta aberta, e na expectativa de as vendas melhorarem", disse.

Sem ônibus circulando, ela teve de buscar a funcionária em casa. Em 11 anos como lojista, não lembra de ter vivido tempos tão difíceis. Segundo ela, as vendas previstas para o mês de março despencaram.

"A gente estava otimista. Março seria um mês bom, promissor. A gente estava indo bem, as vendas estavam boas, mas, com o fechamento, tivemos uma queda bem significativa. A gente perdeu em torno de 70% do nosso faturamento", lamenta.

Já o comerciante Jorge Samora deixou tudo pronto para receber de novo os clientes nesta quarta. No entanto, sem ônibus circulando, o movimento ainda é tímido em sua loja. Clientes mesmo, só da vizinhança.

"Nós temos muitos clientes ao longo da região, próximos à nossa loja. Então isso ajuda bastante no faturamento com a loja aberta, que eles podem vir aqui, podem descer dos prédios, podem comparecer fisicamente na nossa loja".

Para minimizar os prejuízos, por conta dos dias sem funcionar, o comerciante investiu nas vendas online, mas não foi o suficiente. Além disso, Jorge não está nada otimista com a abertura da loja restrita a três dias na semana.

"Três dias a gente funcionando vai trazer algum movimento a mais, mas ele não é o suficiente para reverter essa negativa de faturamento. Eu acredito que somente após a vacinação da população a gente possa ter, de fato, uma melhora, tanto na saúde quanto na economia do país", ressaltou.

Restaurantes e prestadores de serviço

Quem também voltou a atender clientes de forma presencial, nesta quarta-feira, nos 37 municípios capixabas em risco extremo para a covid-19 foram os restaurantes e prestadores de serviços. Nessas cidades, os restaurantes só podem abrir de quarta a sexta-feira, das 10 às 16 horas. Já os prestadores de serviços podem atender de forma presencial nesses mesmos dias, mas das 9 às 20 horas.

No restaurante de José Carlos de Oliveira, que funciona há mais de 20 anos no Centro de Vitória, o movimento nesse primeiro dia de retorno às atividades foi bastante fraco e dava para contar nos dedos as mesas que estavam ocupadas, no início da tarde desta quarta-feira.

"A gente atendia uma média de 150 clientes por dia, até 200. Hoje a gente está atendendo 30 a 40, no máximo. E isso contando com o delivery, marmitex. É muito pouco", lamenta.

O delivery no estabelecimento continua. José Carlos conta que o serviço foi iniciado durante o período de suspensão de atividades não essenciais em todo o estado. Mesmo assim, o faturamento caiu cerca de 90% e dois dos 14 funcionários foram dispensados. "[O delivery] vou dizer para você que não valeu a pena. Financeiramente não é muito viável", frisou.

Para a empresária Sabrina Machado, dona de um salão de beleza localizada na Enseada do Suá, também na capital, o atendimento de forma remota ou por delivery, que é permitido nas segundas e terças-feiras, além dos finais de semana e feriados, essas duas modalidades não são possíveis. No entanto, ela diz que voltar receber os clientes por alguns dias já ajuda e muito.

"A gente entende a situação da pandemia, mas a gente também precisa trabalhar, porque não adianta tentar conter uma pandemia com as pessoas também não tendo dinheiro para pagar as contas, porque as contas não param. Então já atendendo pelo menos três, quatro dias na semana, de acordo com o que o governo determinar, já ajuda bastante", destacou.

Antes da pandemia, o salão de beleza funcionava sem hora marcada. Agora, no entanto, para evitar aglomeração, é preciso agendar o atendimento, entre outros cuidados que já vinham sendo adotados ao longo da pandemia. "Hoje a gente já está com o dia praticamente preenchido. Agora os que estão ligando a gente já está marcando para os dias seguintes".

Funcionamento

Com relação aos shoppings, eles poderão funcionar três vezes na semana, sendo às quartas, quintas e sextas-feiras, das 10h às 20 horas. Já o comércio de rua, centros comerciais e galerias funcionarão nos mesmos dias, das 10h às 18h para atendimento presencial.

Leia também: Novo Mapa de Risco: veja as regras para cada região do ES

As casas lotéricas puderam abrir nesta quarta-feira das 10h às 18h. No entanto, o governo do Estado deverá publicar, no Diário Oficial desta quinta-feira (8), uma alteração no decreto, que passa a considerar as lotéricas como serviço essencial. Com isso, elas poderão funcionar de segunda a sábado, até as 20 horas. Já nas agências bancárias, o funcionamento segue apenas para saque de benefícios assistenciais.

Restaurantes e lanchonetes podem funcionar com atendimento ao público de quarta à sexta-feira até às 16 horas. Após esse horário, somente delivery. Não está liberado que o cliente vá até o local para retirar o pedido, como drive-thru ou take away. Bares e academias vão continuar fechados.

As atividades essenciais, como supermercados, padarias e hortifrutis, farmácias e serviços de assistência à Saúde podem funcionar até as 20 horas em dias de semana. No entanto, ficarão fechados aos domingos e feriados.

Leia também: Comerciantes do ES falam sobre prejuízos e expectativas durante fechamento total

Outras regras

Transporte Público

Os coletivos não poderão circular até o dia 11 de abril, sendo mantida apenas a operação especial de transporte dos profissionais de saúde. Após essa data, nas cidades classificadas em Risco Extremo, os ônibus vão circular das 5h às 22h nos dias de semana e não irão circular aos finais de semana e feriados.

O governador também recomendou que os trabalhadores do setor industrial utilizem os ônibus até as 7h, trabalhadores do setor de serviços usem das 7h às 9h e os do comércio das 9h às 11h. De acordo com Casagrande, a medida visa diminuir a concentração de pessoas nos coletivos.

Já os ônibus intermunicipais poderão voltar a funcionar com até 50% da capacidade. O transporte rodoviário e ferroviário interestadual de passageiros segue suspenso em todo o Espírito Santo.

Cidades em Risco Alto

Medidas sociais:

- Suspensão da realização de eventos;
- Suspensão da visitação de unidades de conservação ambiental e do funcionamento de todos os parques municipais;
- Suspensão do funcionamento dos cinemas, teatro, circos e similares, exceto em formato drive-in;
- Suspensão de funcionamento de espaços de lazer e recreação infantil, parques de diversões e similares.

Ensino

- Suspensão das atividades com a presença de alunos em todos os estabelecimentos de ensino, da rede pública e privada, com exceção de cursos relacionados à saúde e segurança pública.

Trabalho remoto

- Trabalhadores que atuam na área administrativa, independente do ramo da atividade, inclusive no ramo da administração pública direta e indireta, deverão atuar prioritariamente em trabalho remoto.

Agências bancárias

- Poderão funcionar para saque de benefícios assistenciais

Academias

- Vedada realização de atividades aeróbicas;
- Limitação de número de alunos por área do estabelecimento conforme Portaria SESA nº 226, Art. 11, §2º. Limitação de até 20 alunos por horário de agendamento, respeitando o limite de 15m² por aluno.

Comércio, Bares e Restaurantes

- Funcionamento de comércio de rua, centro comerciais e galerias das 10h às 18h de segunda à sexta-feira, e aos sábados até às 14h;
- Funcionamento de shopping centers, de segunda à sexta-feira das 10h às 20h e aos sábados até às 16h;
- Funcionamento de restaurantes das 10h às 16h;
- Distribuidoras de bebidas e lojas de conveniência podem funcionar das 10h às 16h, sem consumo presencial;
- Suspensão do funcionamento dos bares.

Sem restrições

- Farmácias, comércio atacadista, distribuidoras de gás de cozinha e água, supermercados, minimercados, hortifrutis, padarias, lojas de produtos alimentícios, lojas de cuidados animais e insumos agrícolas, postos de combustíveis, borracharias, oficinas de reparação de veículos automotores e bicicletas, estabelecimentos de vendas de materiais hospitalares e casas lotéricas.

Cidades em Risco Moderado

Comércio, Bares e Restaurantes

- Funcionamento dos estabelecimentos comerciais com 1 cliente por 10m², obrigatoriedade do uso de máscaras para funcionários e clientes, distanciamento social em filas;
- Funcionamento de bares, lojas de conveniência e distribuidoras de bebidas alcoólicas de segunda à sábado até às 22h e aos domingos até às 16h.

Academias

- Vedada realização de atividades aeróbicas coletivas;
- Limitação do número de alunos por área do estabelecimento conforme Portaria SESA nº 226-R, Art. 11 §2º.

Ensino

- Permitidas atividades com a presença de alunos no estabelecimento de ensino.