• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

BNDES confirma emissão de R$ 1,7 bi em Letras Financeiras

  • COMPARTILHE
Economia

BNDES confirma emissão de R$ 1,7 bi em Letras Financeiras

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) confirmou nesta quinta-feira, 24, a emissão de R$ 1,7 bilhão em Letras Financeiras (LF), concluída na quarta-feira, 23. Segundo nota divulgada pela instituição de fomento, o título, com vencimento de dois anos, ficou com taxa "abaixo de 102% do CDI". O BNDES informou também que a maioria dos investidores da emissão foram os bancos repassadores dos financiamentos indiretos da instituição de fomento.

"Essa operação faz parte da estratégia de desenvolver novos instrumentos de captação de mercado, em complemento às fontes tradicionais de recursos para fazer frente às necessidades de seu orçamento de investimentos e desembolsos no futuro. A operação visa também diversificar a base de investidores e preparar progressivamente o Banco para atuar como emissor mais frequente no mercado local", diz a nota do BNDES.

O banco sinalizou também que poderá fazer novas emissões de LFs até o fim do ano, como adiantou o Estadão/Broadcast mais cedo. "A frequência de acesso e o volume de recursos que o Banco poderá captar dependerão da necessidade futura de recursos para atendimento da demanda por investimentos apoiáveis pelo BNDES", diz a nota.

O BNDES ressaltou também que orçamento para os desembolsos de 2018 já se encontra equacionado. Desde que assumiu o cargo, no mês passado, o presidente do BNDES, Dyogo Oliveira, vem sinalizando que a instituição poderá desembolsar de R$ 75 bilhões a R$ 80 bilhões este ano, diante dos R$ 70,751 bilhões liberados anos passado, queda nominal (sem descontar a inflação) de 20% em relação a 2016.

Segundo a nota divulgada nesta quinta, as contas para o equacionamento do orçamento já incluem o pagamento antecipado de R$ 100 bilhões ao Tesouro Nacional até o próximo mês de agosto, conforme pedido pelo governo federal.