• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Falta de combustíveis afeta voos, estradas e circulação de ônibus nos Estados

  • COMPARTILHE
Economia

Falta de combustíveis afeta voos, estradas e circulação de ônibus nos Estados

informação foi confirmada pela Vinci Airports, que administra o terminal aéreo em Salvador, acrescentando que o aeroporto não sofre com a falta de combustível


O Aeroporto de Salvador está funcionando como ponto de abastecimento para aviões de voos internacionais originados em outros estados que enfrentam desabastecimento de combustível devido à greve nacional dos caminhoneiros.

Na quarta-feira, 23, dois aviões que decolaram em Brasília e Recife, com destino a Portugal, mudaram o trajeto para abastecer na capital baiana. A informação foi confirmada pela Vinci Airports, que administra o terminal aéreo em Salvador, acrescentando que o aeroporto não sofre com a falta de combustível.

Nas estradas do Ceará, há bloqueios na BR-116, na altura dos municípios de Eusébio, Chorozinho, Russas, Tabuleiro do Norte, Alto Santo e Penaforte. A BR-222 tem interdições nas proximidades de Sobral e Tianguá. A BR-020 tem bloqueios na altura de Canindé, e a BR-30, no quilômetro 47, em Aracati.

Já nas cidades do interior paulista, como Ribeirão Preto e Franca, houve redução dos horários de ônibus devido ao baixo estoque de óleo diesel. O objetivo é evitar que os veículos cheguem a parar de vez por falta de abastecimento em razão da greve dos caminhoneiros.

Nesses e em outros municípios, filas enormes de carros têm se formado nos postos e em alguns já falta combustível.

Em Ribeirão, o número de ônibus nas ruas foi reduzido e volta à normalidade no horário de pico, das 18h às 19h30, diminuindo novamente a circulação depois disso.

Em Franca, as linhas estão seguindo os horários de domingo, quando operam menos coletivos. A exceção fica por conta dos horários de maior fluxo de passageiros na cidade, das 6 horas às 8 horas e das 16 horas às 18 horas.

Outras cidades do Estado também reduziram as linhas urbanas, caso por exemplo de Campinas, Taubaté, Jacareí, São José dos Campos, São Luiz do Paraitinga e Caraguatatuba. Na maioria, passou a valer o mesmo critério dos fins de semana, quando menos coletivos estão nas ruas devido ao número menor de usuários.