• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Ideia de privatizar os Correios saiu da pauta, diz Kassab

  • COMPARTILHE
Economia

Ideia de privatizar os Correios saiu da pauta, diz Kassab

O ministro fez uma breve memória do debate sobre o futuro dos Correios e lembrou que a proposta de privatização era legítima diante de prejuízos que chegaram a superar R$ 2,5 bilhões

Kassab argumentou que a venda da estatal deixou de ser debatida porque o lucro de mais de R$ 600 milhões em 2017 mostram que a empresa "é viável e pode ser até ser lucrativa"

A ideia de privatizar os Correios saiu da pauta. A afirmação foi feita pelo ministro da Ciência, Tecnologia e Comunicações, Gilberto Kassab. "Esse balanço (de 2017, que mostra volta ao lucro) e o apoio dessa casa nos permitiram tirar da pauta essa questão. Não se fala mais nisso", disse o ministro em audiência na Câmara dos Deputados, ao ser questionado por parlamentares sobre a proposta de privatizar a companhia.

Kassab argumentou que a venda da estatal deixou de ser debatida porque o lucro de mais de R$ 600 milhões em 2017 mostram que a empresa "é viável e pode ser até ser lucrativa". O ministro fez uma breve memória do debate sobre o futuro dos Correios e lembrou que a proposta de privatização era legítima diante de prejuízos que chegaram a superar R$ 2,5 bilhões.

"Se tivéssemos entregando um balanço negativo, não há candidato a presidente que não assumiria o compromisso de privatizar ou pelo menos estudar a privatização", disse o ministro do PSD, ao lembrar que o próximo governo "vai encontrar uma empresa melhor, mais saudável e poderá efetivamente dar sequência ao trabalho de melhora" da companhia.

Kassab disse que a volta ao lucro não encerra o esforço de gestão nos Correios. Agora, afirmou, o esforço passa a ser a melhorar a eficiência da empresa. "Precisamos melhorar a eficiência e estamos no caminho", disse.

O balanço dos Correios indica lucro de R$ 667 milhões no ano passado, o primeiro desde 2013. A estatal cita que os números mostram "a superação, por parte da empresa, da grave crise atravessada nos últimos anos".