• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Liquidação das distribuidoras é o pior caminho, diz presidente da Eletrobras

  • COMPARTILHE
Economia

Liquidação das distribuidoras é o pior caminho, diz presidente da Eletrobras

Ele informou ainda que se precisar operar as distribuidoras por mais tempo terá que ser autorizado por uma assembleia

O presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Jr., se disse preocupado com o arquivamento da MP 814, mas afirmou acreditar que uma solução será encontrada a tempo de privatizar as seis distribuidoras deficitárias.

"Não, ainda não, imagino, como existem manifestações do próprio Rodrigo (Maia), que existe alguma alternativa para o tema específico das distribuidoras, que há uma ação que vai ser desenvolvida por ele para a gente resgatar isso, estou confiante que a gente consiga", disse ao chegar no 15º Enase e ser indagado se a privatização das distribuidoras ficaria para 2019.

O deputado Rodrigo Maia anunciou na terça-feira, 22, que o conteúdo da MP 814 poderá ser incorporado no projeto de lei da privatização da Eletrobras, cujo relator é o deputado José Carlos Aleluia.

"As colocações que me foram feitas é de que se colocarem em urgência dará tempo", afirmou, lembrando que a venda das distribuidoras é prioridade do governo, assim como a privatização da Eletrobras.

Sobre a possibilidade de liquidação das distribuidoras, Ferreira Jr. afirmou que seria "a pior alternativa".

"Eu tenho até 31 de julho para operá-las conforme deliberações da última assembleia. Estou saindo daqui na sequência indo para Brasília discutir as alternativas, a liquidação é a pior alternativa", afirmou.

Ele informou ainda que se precisar operar as distribuidoras por mais tempo terá que ser autorizado por uma assembleia. "O que atende melhor ao consumidor é a privatização", completou.

Ele descartou a possibilidade de antecipar o pagamento das dívidas das distribuidoras e informou que a Eletrobras já incorporou as perdas de cerca de R$ 14 bilhões que já foi realizado com essas companhias. "Foi com base nessas perdas que nós propusemos lá atrás assumir dívidas de R$ 11 bilhões e com base da perspectiva da MP 814, o controlador votou para assumir dívidas de R$ 8,5 bilhões porque tinha a contrapartida de créditos, e é desses créditos que eu estou falando", disse.

Ferreira informou também que na reunião de quinta-feira do Conselho de Administração da Eletrobras será votada a venda das 70 SPEs da estatal por meio de leilão.