• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Momesso: estamos tentando controlar efeito dominó da greve sobre exportações

  • COMPARTILHE
Economia

Momesso: estamos tentando controlar efeito dominó da greve sobre exportações

A greve dos caminhoneiros e seus reflexos setoriais têm afetado fortemente as operações da armadora Maersk Line, líder mundial no transporte marítimo de contêineres. "O impacto de não receber as cargas nos nossos navios é praticamente desde o início da greve. O impacto de ter os clientes chegando numa situação de quase desespero tem sido agora", contou ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, João Momesso, diretor de Trade e Marketing da Maersk para a costa leste da América do Sul.

Com as paralisações nas rodovias, os clientes da armadora não têm conseguido acessar os terminais, seja para entregar os contêineres que embarcariam nos navios agora, ou para retirar contêineres vazios que embarcariam nas próximas semanas. Todo o fluxo deverá ser prejudicado: os navios desta semana deverão sair dos portos com menos carga, enquanto a carga que se acumula terá de ser acomodada nas semanas seguintes.

Mas fazer esse rearranjo será desafiador, já que os navios de exportações têm saído cheios. "Teremos de conversar com os clientes para saber como espalhar, espaçar os embarques para que o impacto seja menor", diz Momesso.

Para o executivo, é possível que os reflexos da greve apareçam nos resultados das importações e exportações verificados pela Maersk no segundo trimestre. "Se considerarmos que falta pouco mais de cinco semanas para terminar o trimestre, há uma chance de isso impactar, porque a carga que deveria ser embarcada não necessariamente será acomodada nas próximas cinco semanas", avalia o diretor da Maersk.

Por outro lado, a empresa está otimista de que a situação será resolvida hoje ou mesmo nos próximos dias.