• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Movimento dos caminhoneiros se divide sobre trégua pedida pelo governo

  • COMPARTILHE
Economia

Movimento dos caminhoneiros se divide sobre trégua pedida pelo governo

Numa clara divisão do movimento de paralisação dos caminhoneiros, a maior parte das entidades representativas da categoria aceitou nesta quinta-feira, 24, o pedido de trégua feito pelo governo para que sejam examinadas as reivindicações da categoria. Mas o presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), José da Fonseca, deixou a reunião antes do fim afirmando que orientará sua base a manter a greve até que seja aprovada e sancionada a lei que desonera o diesel do PIS/Cofins e da Cide.

Questionado se a maioria havia aceitado o pedido de trégua do governo, ele afirmou: "A maioria que está aí dentro sim, mas a que está lá fora, não. Está esperando o meu pronunciamento." Fonseca diz liderar 700.000 caminhoneiros, em 60 sindicatos e 7 federações.

O presidente da Abcam afirmou que seu objetivo é resolver o problema do PIS, da Cofins e da Cide. Ele contou ter dado ao governo um prazo de dois dias - até sexta-feira - para uma resposta. "A Câmara fez a lição de casa: votou e encaminhou para o Senado", disse. "Mas temos um presidente do Senado e do Congresso que acha que é o maior brasileiro do mundo. Pegou o avião dele e foi embora. Nos deixou nessa situação. Por causa disso, eu, que estou na frente desse movimento, vou falar com o meu pessoal que não vamos levantar o movimento enquanto esse homem não chegar, convocar os senadores, votar e aprovar a lei. Aí sim, eu levanto o movimento."

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), viajou nesta quinta cedo para Fortaleza. Mas, diante da repercussão negativa, resolveu voltar e convocar uma reunião para as 19 horas desta mesma data.

Informado da volta de Eunício, Fonseca não se impressionou. "Problema dele." O que interessa, acrescentou, é ver a lei aprovada.

Questionado sobre a proposta do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) de reduzir o PIS-Cofins de R$ 0,46 para R$ 0,29, ele irritou-se "Esse, não falaram para mim. Falaram a redução integral. A cada problema que eles arrumarem o movimento vai continuar cada vez mais forte. Se quiserem pôr fogo nesse País estão conseguindo."

Maia apresentou essa sugestão depois que o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Carlos Marun, deu uma entrevista afirmando que a Câmara havia aprovado o projeto de lei com a desoneração do PIS-Cofins sobre o diesel com base em cálculos errados.

A pauta em discussão na reunião que ainda prossegue no Planalto trata de temas que Fonseca considera "secundários". Por exemplo, o pedido para que alguns Estados, como São Paulo, Paraná e Mato Grosso, deixem de cobrar pedágio sobre os eixos suspensos dos caminhões, como já ocorre nas rodovias federais.

O movimento continuará enquanto não houver um preço "convincente" para o óleo, disse. "Meu amigo, quando o governo não quer atender reivindicações, cria grupo de trabalho. E é isso que está acontecendo", informou o presidente da Abcam.