• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Carga de energia no País deve crescer 1,9% em agosto, calcula ONS

  • COMPARTILHE
Economia

Carga de energia no País deve crescer 1,9% em agosto, calcula ONS

Volume de água dos reservatórios das hidrelétricas do Brasil deveficar abaixo da média histórica para o mês

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) prevê que a carga de energia para o mês que vem no Sistema Interligado Nacional (SIN) é de 64.392 MW médios, o que corresponde a um aumento de 1,9% em relação ao registrado em agosto do ano passado.

O subsistema Sudeste/Centro-Oeste, principal centro de carga do País, deve registrar uma carga de 37.356 MW médios, 1,1% maior frente o anotado na mesma etapa de 2016, enquanto no Sul a previsão é de 10.919 MW médios, alta de 4,1%. No Nordeste, a projeção aponta aumento de 1,9%, aos 10.341 MW médios, enquanto para o Norte a expectativa é de elevação de 3,4%, com 5.776 MW médios.

Já a hidrologia de agosto seguirá desfavorável. O volume de água que chegará aos reservatórios das hidrelétricas do Brasil ficará abaixo da média histórica para o mês, em 67% da média de longo termo (MLT).

De acordo com projeções divulgadas nesta sexta-feira, 28, pelo ONS, a chamada Energia Natural Afluente (ENA) no Sudeste, que concentra boa parte da capacidade de armazenamento do País, deve alcançar 15.672 MW médios, volume que corresponde a 78% da MLT. Em outras regiões do País, o volumes serão ainda menores, com ENA esperada de 59% da média histórica no Sul, de 63% da MLT no Norte e de apenas 34% no Nordeste.

Com chuvas mais fracas ao longo do mês, o nível dos reservatórios deve cair em todos os subsistemas. A Energia Armazenada Máxima (EAR) deve chegar ao final de agosto em 34% no Sudeste, abaixo dos 38,5% anotados nesta quinta-feira, 27. Já no Sul o indicador cairá dos 71,5% registrados na quinta para 60,5%. O armazenamento no Norte diminuirá de 60,1% para 50%, enquanto no Nordeste a EAR chegará aos 11,5%, ante os 15,5% da véspera.