• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Obras no Porto de Vitória serão concluídas no início de outubro e beneficiarão economia capixaba

  • COMPARTILHE
Economia

Obras no Porto de Vitória serão concluídas no início de outubro e beneficiarão economia capixaba

O local ampliará sua movimentação de carga em 30% e poderá também receber navios maiores. Agora, poderão atracar embarcações com capacidade de até 70 mil toneladas de carga

As obras de dragagem do Porto de Vitória serão concluídas no início de outubro. A informação foi repassada pelo presidente da Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa), Luís Cláudio Montenegro, na noite da última terça-feira (19), em reunião com a senadora Rose de Freitas (PMDB), em Brasília.

O término das obras no porto são extremamente benéficas para a economia capixaba, afinal, o local ampliará sua movimentação de carga em 30% e poderá também receber navios maiores. Agora, poderão atracar embarcações com capacidade de até 70 mil toneladas de carga.

“A expectativa é ampliar nossa movimentação de carga em 30%. Movimentamos seis milhões de toneladas hoje e esperamos chegar a sete, oito milhões de toneladas somente no primeiro impacto (da conclusão da dragagem)”, comemorou o presidente da Codesa.

Contratos com empresas internacionais localizadas nos principais mercados do mundo também estão sendo firmados, segundo Montenegro.

"Só na expectativa da conclusão da dragagem já conseguimos fechar linhas diretas com Ásia, Europa e Estados Unidos. Uma vez por mês, por exemplo, levamos 600 contêineres para os Estados Unidos, sem a necessidade de passar por nenhum outro porto”, revela.

Tecnologia

O presidente da Codesa contou ainda à senadora que a Marinha “homologou o resultado do Sistema de Informações e Gerenciamento do Tráfego de Embarcações (VTMIS)”. Significa, segundo Montenegro, que o Porto de Vitória está devidamente autorizado a operar por esse sistema de radares, o que aumentará segurança e eficiência na movimentação dos navios.

“Somos o primeiro do Brasil. Vamos imaginar que em um dia de neblina não poderia entrar navio no porto. Agora pode, pois temos um conjunto de sistemas que vão ler maré, corrente, onda”, conclui.