• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Brasil tem a menor inflação acumulada no ano desde 1998

  • COMPARTILHE
Economia

Brasil tem a menor inflação acumulada no ano desde 1998

Dos nove grupos avaliados pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), o medidor da inflação oficial, somente dois registraram queda na média geral dos preços: alimentação e bebidas (-0,41%) e habitação (-0,12%)

A inflação oficial brasileira ficou em 0,16% no mês de setembro, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (6) pelo IBGE (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo). No ano, a inflação acumulada é de 1,78%, muito abaixo dos 5,51% registrados entre janeiro e setembro do ano passado, sendo o menor índice desde 1998 (quando ficou em 1,42%).

Dos nove grupos avaliados pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), o medidor da inflação oficial, somente dois registraram queda na média geral dos preços: alimentação e bebidas (-0,41%) e habitação (-0,12%).

Os alimentos de consumo em casa tiveram queda de -0,74%, com destaque para a redução média nos preços de tomate (-11,01%), alho (-10,42%), feijão-carioca (-9,43%), batata-inglesa (-8,06%) e leite longa vida (-3%).

Considerando os últimos 12 meses, o IPCA registrou inflação de 2,54%, resultado superior aos 2,46% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores.

Altas

Os gastos com transportes e despesas pessoais foram os que mais subiram no mês de setembro, segundo o IBGE, com altas de 0,79% e 0,56%, respectivamente.

Os combustíveis foram os itens que mais puxaram os gastos dos brasileiros no mês passado, com alta de 1,91% nos preços frente ao mês anterior. Destaque para o litro da gasolina, que ficou em média 2,22% mais caro em relação a agosto. Desde que a Petrobras adotou a política de reajuste diário nos preços da gasolina vendida nas refinarias, em julho, o preço médio do combustível subiu 11% em três meses nas bombas.

Com alta de 21,9%, as passagens aéreas são o item que mais subiu no mês passado, seguido de botijão de gás (4,81%), gasolina, diesel (2,11%) e serviços bancários (2,02%).

Com informações do Portal R7.