• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Relator espera retomar discussões pela aprovação de reforma da Previdência

  • COMPARTILHE
Economia

Relator espera retomar discussões pela aprovação de reforma da Previdência

Para o relator, é importante neste momento ressaltar não apenas a "necessidade da reforma" para o País. "É importante ressaltar também dois pontos fundamentais: termos idade mínima e dar o mínimo de equidade no tratamento ao trabalhador do setor privado e aos servidores públicos", afirmou

Brasília - O relator da reforma da Previdência, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), afirmou nesta quarta-feira, 25, que espera retomar as discussões pela aprovação da proposta logo após a votação da denúncia contra o presidente da República, Michel Temer, que será apreciada durante o dia pela Câmara dos Deputados. "Tenho esperança de que, depois de hoje, tenhamos até dezembro para tentar aprová-la", disse durante o III Fórum Nacional do Comércio, promovido pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).

Oliveira Maia também buscou descolar a reforma de uma eventual marca do governo Michel Temer. "Há maldade em dizer que esta é a reforma de Michel Temer. Não é. É a reforma do relator", frisou, resgatando as mudanças promovidas no texto pela comissão especial na Câmara dos Deputados.

"Não há porque tentar fazer confusão. Uma coisa é o senhor Michel Temer, que está sendo julgado hoje pela Câmara, ou então vai continuar presidente até o final ano que vem e será em seguida julgado. Porque a Câmara só está dizendo em caso de rejeição da denúncia que ele vai ser julgado depois. Não é razoável que se troque de presidente quatro vezes em quatro anos", afirmou o deputado.

Para o relator, é importante neste momento ressaltar não apenas a "necessidade da reforma" para o País. "É importante ressaltar também dois pontos fundamentais: termos idade mínima e dar o mínimo de equidade no tratamento ao trabalhador do setor privado e aos servidores públicos", afirmou Oliveira Maia.

O relator não deixou claro se esses pontos devem ser os focos na nova investida pela aprovação da reforma da Previdência. Como já mostrou o Broadcast (serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado), há no Congresso Nacional uma articulação para aprovar uma versão mais "enxuta" da proposta, resumindo-se apenas à idade mínima, à regra de transição e à mudança no tempo mínimo de contribuição.

Ao falar na equidade de tratamento entre os trabalhadores, Oliveira Maia disparou críticas contra o que classificou de "processo de exacerbação de direitos dos servidores" e expôs o lobby praticado pelas categorias para obterem do Congresso Nacional aumentos salariais e outras vantagens em projetos analisados pelos parlamentares.

"Desse jeito, o Presidente da República vai ser eleito pela população e, em vez de sentar com três poderes, vai ter que sentar com 50 categorias para definir o Orçamento do País. É inaceitável que apenas 1 milhão de servidores consumam 30% da despesa previdenciária. Durante as discussões da reforma, 190 das 200 audiências que recebi foi do lobby do serviço público, que tem dinheiro para viajar a Brasília e influenciar nessa decisão", afirmou o deputado.

Professores

O relator também escancarou que só aceitou reduzir a idade mínima que será exigida dos professores para 60 anos devido à pressão da categoria. Antes, esses profissionais teriam de respeitar as regras gerais - 62 anos para mulheres e 65 anos para homens. "Digo sem nenhum pudor, sem nenhum medo, foi contra a minha vontade. Por uma questão muito forte de lobby na Câmara, admitimos possibilidade de aposentadoria aos 60 anos", disse.

Ele fez questão de ressaltar, porém, que a permissão para policiais pedirem aposentadoria aos 55 anos é justificada devido à natureza da atividade e encontra precedentes internacionais.

Eleições

O relator da reforma da Previdência fez duras críticas a parlamentares que querem deixar a votação da proposta para 2019 para não prejudicar suas campanhas eleitorais. "Colegas parlamentares dizem 'mas vamos deixar para 2019, passar a eleição'. Não consigo ver algo mais desonesto que isso", disse. "É desonesto com o Brasil, todo mundo sabe que precisa fazer reforma agora. Não importa se é ano eleitoral ou não, tem que votar", acrescentou. "É muito fácil dizer sim (às pressões) com o dinheiro público, mas é preciso dizer não."

Oliveira Maia voltou a dizer que não teme os possíveis impactos da defesa da reforma sobre sua carreira política. "Não nasci deputado nem vou morrer deputado", disparou.

O relator deixou o evento antes do fim do painel do qual participava dizendo que iria justamente para o Palácio do Planalto para participar de uma audiência sobre a reforma da Previdência, mas não especificou com quem será o encontro.