• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Tesouro: PIB de 3% pode levar Brasil a superar patamar de renda média

  • COMPARTILHE
Economia

Tesouro: PIB de 3% pode levar Brasil a superar patamar de renda média

Para a secretária do Tesouro Nacional a prova que o governo está na direção correta na condução da economia fica evidente em uma série de indicadores, como a queda do risco Brasil, dos juros e a valorização de ativos,

A secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi, ressaltou em palestra nesta quinta-feira, 19, no Insper que se o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil crescer, de forma sustentada, na casa dos 3% ao ano por um longo período, o País consegue se desenvolver e superar seu patamar de renda média.

"Às vezes me incomodo com essa discussão de que o Brasil tem que crescer 4%, 5% ao ano", disse ela. "Se crescer 3% sustentadamente a cada ano, o Brasil vai superar seu patamar de renda média e pode alcançar um nível de desenvolvimento que estamos almejando."

Mantendo a política econômica na direção correta e avançando na agenda de reformas microeconômicas, o PIB poderia se expandir na casa dos 3%. Este ano, Ana Paula avalia que o PIB pode crescer entre 0,5% e 1%.

Para ela, a prova que o governo está na direção correta na condução da economia fica evidente em uma série de indicadores, como a queda do risco Brasil, dos juros e a valorização de ativos, como as ações na bolsa, a volta das aberturas de capital e de emissões pelas empresas. "O PIB começa a mostrar um pouquinho de melhoria. A crise passou."

"Disciplina fiscal rende, sim, crescimento sustentável", disse ela, ressaltando que esta mensagem precisa ficar mais clara para a sociedade em 2018, ano eleitoral. "Pode demorar um pouco, mas os resultados aparecem."

Ainda em sua apresentação, ao falar da Previdência, a secretária citou um estudo do Tribunal de Contas da União (TCU) que mostra que o déficit atuarial dos regimes para servidores estaduais chegará a R$ 2,8 trilhões em 75 anos.