• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Ministérios pedem Força Nacional de Segurança em protesto de servidor amanhã

  • COMPARTILHE
Economia

Ministérios pedem Força Nacional de Segurança em protesto de servidor amanhã

Descontentes com medidas adotadas pelo governo para reduzir o gasto com pessoal, entidades e sindicatos estão convocando servidores públicos para participar de manifestações em todo o País nesta sexta

Com a perspectiva de manifestação de servidores nesta sexta-feira, 10, ministérios pediram reforço à Força Nacional de Segurança. Tanto no Ministério da Fazenda quanto no Planejamento, profissionais da Força se juntaram aos seguranças que já atuam nas pastas para evitar dano ao patrimônio. Questionado, o Ministério da Justiça não informou o efetivo que foi destacado.

Descontentes com medidas adotadas pelo governo para reduzir o gasto com pessoal, entidades e sindicatos estão convocando servidores públicos para participar de manifestações em todo o País nesta sexta, no que estão chamando de "Dia Nacional de Lutas". Está prevista uma manifestação de servidores públicos, às 9h, em frente ao Ministério do Planejamento. Em São Paulo, a concentração será no Palácio dos Bandeirantes, às 14h.

O ato foi convocado em protesto à Medida Provisória 805, que adia em um ano o reajuste do funcionalismo e aumenta a contribuição previdenciária de quem ganha mais de R$ 5,5 mil de 11% para 14%. No dia 28, está prevista uma "Caravana a Brasília", em que funcionários públicos de todo o País irão à capital para novo protesto.

Além disso, algumas categorias ameaçam cruzar os braços. Desde a semana passada, os auditores da Receita Federal iniciaram uma paralisação pela falta de regulamentação de um bônus pago à carreira, que se agravou com o envio da MP.

Os sindicatos também se preparam para ingressar na Justiça. O PSOL entrou com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo a suspensão da medida provisória. O pedido de liminar ainda não foi julgado.