• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Temer: 'Reforma da Previdência não é minha, é do governo compartilhado'

  • COMPARTILHE
Economia

Temer: 'Reforma da Previdência não é minha, é do governo compartilhado'

Ao exaltar que seu governo tem dado certo até hoje, Temer citou a derrubada das duas denúncias contra ele pela Procuradoria-Geral da República e falou em "gratidão" aos parlamentares pelo apoio

Em reunião com líderes da Câmara e com ministros, incluindo o da Fazenda, Henrique Meirelles, o presidente Michel Temer afirmou que continuará empenhado em aprovar a reforma da Previdência, reconheceu que ela deve ser menor que a prevista inicialmente e numa espécie "de vacina" rechaçou a tese de que seu governo sofrerá uma derrota caso ela não avance.

Segundo o presidente, que citou "centenas" de medidas aprovadas pelo Congresso, a reforma da Previdência é uma espécie de "fecho" das reformas. "A reforma da Previdência é a continuação importante, fundamental, para uma espécie de fecho das reformas que nós estamos fazendo. Continuarei me empenhando nela, vou trabalhar muito por ela", disse. "Embora não se consiga fazer todo o conjunto que ela se propõe, avançamos até um determinado ponto", completou. No Planalto, auxiliares reconhecem que a idade mínima é o eixo central e mínimo para que a reforça tenha algum efeito e mantenha do discurso de vitória do governo.

Temer disse ainda que vê na mídia afirmações de que se o governo não aprovar a reforma da Previdência ele não terá dado certo. "Às vezes, até personificam, falam se o Temer não aprovar", disse. Segundo ele, o tema será debatido e esclarecido com a sociedade e os congressistas devem representar a vontade do povo. "Se num determinado momento a sociedade não quer a reforma da Previdência, a mídia não quer e a combate e se o Congresso não quiser aprová-la, paciência. Eu continuarei a lutar por ela", afirmou.

O presidente disse ainda que alguns que dizem que querem derrotar a proposta "supondo que derrotando-a derrotam o Brasil". "A reforma da Previdência não é minha, não é pessoal, mas é do governo compartilhado", completou, ressaltando que uma eventual derrota, caso não consiga votar a medida, não vai inviabilizar o governo.

Ao exaltar que seu governo tem dado certo até hoje, Temer citou a derrubada das duas denúncias contra ele pela Procuradoria-Geral da República e falou em "gratidão" aos parlamentares pelo apoio. O presidente disse ainda que superou as adversidades e é um governo que deu certo "até hoje, que não falhou" e que "gestos inadequados praticados por algumas figuras acabaram atrasando essa reforma". "Se não fosse aquela coisa desagradável que aconteceu meses atrás já teríamos aprovado", disse.

Outros dados

Temer também citou a simplificação tributária, disse que pode haver redução de impostos e que se até o final do ano conseguir levar também a simplificação tributária adiante o saldo de dados positivos de seu governo será ainda maior.

Como tem feito em seus discursos, Temer abriu sua fala aos líderes munido de anotações com uma série de dados econômicos. Destacou a redução dos juros e da inflação e destacou que a previsão é que a Selic encerre 2017 a 7% ao ano. Ele lembrou que assumiu a presidência em uma recessão e que, superada essa fase, o "País voltou".

Temer disse que fez centenas de medidas em apenas 18 meses e que há muito por fazer até o fim do seu mandato. O presidente destacou que é importante verbalizar os dados econômicos, citou safra agrícola, a produção de veículos, as exportações e também a retomada do emprego. "Nós estamos combatendo o desemprego", frisou. O presidente citou ainda os índices recordes da Bovespa e afirmou que tudo isso mostra a confiança no Brasil. "Há uma recuperação nítida da economia", disse.

Temer citou ainda a recuperação das estatais e destacou que elas tiveram prejuízo de R$ 32 bilhões em 2015 e agora lucro de R$ 17,3 bilhões no 1º semestre. Segundo ele, há uma crença muito grande lá fora no Brasil. "há uma ideia de que as aplicações são rentáveis. Sem embargo das dificuldades e das infâmias contra o governo, continuamos trabalhando", destacou. "Os próximos 14 meses ainda serão de muita prosperidade", prometeu.