• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Meirelles faz teleconferência com três principais agências de rating

  • COMPARTILHE
Economia

Meirelles faz teleconferência com três principais agências de rating

Meirelles terá conferências na próxima quinta-feira para falar sobre a reforma da Previdência e as perspectivas econômicas de 2018

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, antecipou para esta quarta-feira, 20, a rodada de conversas com os representantes das três principais agências de classificação de risco para evitar um rebaixamento da nota do Brasil devido ao adiamento da reforma da Previdência para fevereiro de 2018.

A primeira conferência está ocorrendo com a Standard&Poor's. Depois, às 18h, será a vez da Fitch e, às 18h30, com a Moody's. As conferências estavam marcadas para amanhã, mas o Ministério da Fazenda informou que Meirelles iria fazer as conversas hoje.

Meirelles foi alertado do risco de um novo rebaixamento do rating do Brasil. Sem a reforma, aumentam as incertezas em relação à trajetória da relação entre a dívida pública e Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil.

Como mostrou o Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, a percepção é de que o risco maior é com a S&P, a primeira agência a dar ao Brasil o grau de investimento, em abril de 2008, e também a primeira a retirá-lo em setembro de 2015. Em agosto passado, a S&P reafirmou o rating do Brasil e colocou a perspectiva em negativa.

Com esse viés, o próximo passo é rebaixamento, caso não haja melhoras. A S&P manteve na época o rating em meio à piora da meta fiscal de déficit de R$ 139 bilhões para R$ 159 bilhões.

O grau de investimento é uma espécie de selo do bom pagador. Depois da perda do grau de investimento, o rating do Brasil já caiu dois níveis pelas três agências que mantêm perspectiva negativa para a nota de risco do País.

Meirelles terá conferências na próxima quinta-feira para falar sobre a reforma da Previdência e as perspectivas econômicas de 2018.