• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Novo estímulo nos EUA leva economistas a rever projeções de crescimento no país

  • COMPARTILHE
Economia

Novo estímulo nos EUA leva economistas a rever projeções de crescimento no país

A versão final de uma lei de corte de impostos de US$ 1,5 trilhão assinada pelo presidente dos EUA, Donald Trump, na semana passada vai gerar uma rodada de estímulo fiscal um pouco mais carregada do que as versões anteriores

Nova York - Economistas de Wall Street estão revisando suas estimativas de crescimento econômico dos EUA para os próximos dois anos, devido ao reforço nos cortes de impostos e o aumento do gasto público definidos por Washington. Por outro lado, a nova orientação fiscal da administração norte-americana tende a resultar em déficits orçamentários maiores nos próximos anos, o que pode restringir a capacidade do governo de responder às futuras recessões ou crises.

A versão final de uma lei de corte de impostos de US$ 1,5 trilhão assinada pelo presidente dos EUA, Donald Trump, na semana passada vai gerar uma rodada de estímulo fiscal um pouco mais carregada do que as versões anteriores aprovadas pela Câmara e pelo Senado norte-americanos.

Enquanto isso, o Congresso provavelmente vai estudar em janeiro um acordo para aumentar os limites de gastos federais e permitir desembolsos maiores para aliviar os reflexos das tempestades registradas há poucos meses em diversos estados dos EUA. Os republicanos da Câmara propuseram uma conta de alívio de desastres de US$ 81 bilhões, quase o dobro do pedido de financiamento da Casa Branca, embora o Senado não tenha tomado qualquer medida antes do recesso final do ano.

Os cortes de impostos combinado com o aumento de gastos provavelmente aumentarão em cerca de 0,7 ponto porcentual a taxa de crescimento do produto interno bruto (PIB) dos EUA em 2018 e outro 0,2 ponto porcentual em 2019, disse Lewis Alexander, economista dos EUA na Nomura Securities LLC. Ele estima que o aumento dos gastos do governo poderia representar a metade desse impulso no próximo ano.

"Uma das razões para o nosso prognóstico relativamente otimista de crescimento de 2018 decorre de um generoso, e historicamente sem precedentes, estímulo fiscal", disse Alexander. A mudança nas perspectivas de gastos federais, ao contrário do corte de impostos, é "um fator ainda não totalmente apreciado pelos mercados". A casa espera que o estímulo fiscal influencie no crescimento após 2019 porque ajudará a induzir taxas de juros mais elevadas e de longo prazo.

Os economistas do Goldman Sachs elevaram na semana passada as previsões de crescimento dos EUA de 2018 e 2019 em 0,3 ponto porcentual e 0,2 ponto porcentual, respectivamente, para 2,6% e 1,7%. Eles esperam que o aumento da demanda, impulsionado principalmente pela expansão do consumo, estimule mais contratações que reduzirão a taxa de desemprego para 3,5% no próximo ano, de uma previsão anterior de 3,7%, e para 3,3% em 2019, ante a estimativa anterior de 3,5%. A última vez que a taxa de desemprego - atualmente em cerca de 4% - esteve no patamar de 3,3% foi em 1952.

A maioria dos economistas vê o corte de impostos como indutor de um crescimento maior, ao estimular o consumo doméstico, enquanto as reduções nas taxas de imposto corporativo podem resultar em maiores gastos de capital. Os economistas do J.P. Morgan estimam um aumento de 0,2 ponto porcentual na taxa de crescimento no próximo ano por conta do aumento do gasto do consumidor e de 0,1 ponto porcentual em decorrência do investimento das empresas. O banco espera que a produção econômica norte-americana cresça 2,1% no próximo ano.

O Congresso está trabalhando para chegar a um acordo sobre financiamento do governo que elevaria os limites de gastos definidos em 2011. Esses limites se tornaram mais restritivos em 2013, mas acordos bipartidários elevaram os tetos em 2013 e 2015, por dois anos de cada vez, e o último acordo do tipo expirou em setembro.

Os economistas do Goldman esperam que o Congresso amplie os limites de gastos em US $ 90 bilhões em 2018 e novamente em 2019, ou em cerca de 7% em relação aos níveis atuais. Esses níveis de financiamento não incluem despesas adicionais para alívio de desastres para áreas do país atingidas por tempestades ou incêndios florestais.

Mais estímulos agora provavelmente levarão a maiores déficits no futuro. Goldman e J.P. Morgan esperam que os déficits cresçam de US$ 664 bilhões, no ano fiscal encerrado em setembro, ou cerca de 3,4% do PIB, para US $ 1 trilhão, ou 5% do PIB, em 2019.

Uma mudança para maiores déficits orçamentários durante períodos em que a expansão econômica está bem avançada contrasta com a experiência histórica recente. Normalmente, os déficits orçamentários caem quando a economia se expande e aumentam quando se contrai.

Fonte: Dow Jones Newswires