• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Varejo deve mostrar melhor ritmo de crescimento em 2018

  • COMPARTILHE
Economia

Varejo deve mostrar melhor ritmo de crescimento em 2018

"No varejo qualificado, vamos ter com certeza um crescimento importante. Há uma série de lojas disponíveis, as negociações estão muito favoráveis aos lojistas", afirma o presidente da Alshop, Nabil Sahyoun

São Paulo - A Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop) enxerga um ritmo mais forte de crescimento do varejo em 2018, em linha com o quadro mais positivo já delineado ao longo de 2017. "Este ano foi um alento", reforça o diretor de Relações Institucionais da entidade, Luís Augusto Ildefonso.

A associação não tem estimativas para o próximo ano, mas vê um incentivo importante e progressivo aos investimentos no setor durante o período de retomada da economia, sustentada por fatores como a queda da Selic, o início de recuperação do mercado de trabalho e o encaminhamento de reformas estruturantes.

"No varejo qualificado, vamos ter com certeza um crescimento importante. Há uma série de lojas disponíveis, as negociações estão muito favoráveis aos lojistas", afirma o presidente da Alshop, Nabil Sahyoun. Ele destaca ainda o setor de franquias, que também deve ver avanço considerável. "Todas as grandes redes de franquia estão com expansão de seus negócios".

Ainda de acordo com a Alshop, há 43 shoppings em construção atualmente no País, que devem entrar em operação nos próximos três anos. Para 2018, a expectativa é de 18 inaugurações, diz Ildefonso.

E-commerce

A Alshop destaca ainda o desempenho do comércio eletrônico neste ano, cujo faturamento atingiu R$ 49,7 bilhões, um crescimento nominal de 12% ante 2016. A estimativa é de que o e-commerce tenha contribuído com 4,3% nas vendas do varejo em 2017, ante participação de 3,8% apurada em 2016.

De acordo com a associação, o comércio eletrônico vem se destacando a cada ano nas principais redes do varejo e, em muitas delas, o movimento já é igual ou superior ao de uma loja convencional. Ildefonso ressalta a importância dos dispositivos móveis, um instrumento de compra "fortíssimo" que pode servir como reforço às vendas em lojas físicas.