• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Filme chileno ganha o Oscar da latinidade

  • COMPARTILHE
Entretenimento

Filme chileno ganha o Oscar da latinidade

Apoiado num pleito político e moral contra as mais variadas formas de intolerância, com ênfase na transfobia, "Uma Mulher Fantástica" rendeu ao Chile os holofotes do "Oscar da Latinidade", apelido dado ao troféu Platino, láurea criada há cinco anos como estímulo à integração continental entre as Américas e seus antigos colonizadores, os povos ibéricos. A premiação ocorreu no domingo, no complexo hoteleiro XCaret, em Playa Del Carmen, do lado de Cancún, no México. A produção chilena pilotada pelo cineasta Sebastián Lelio (de Gloria) saiu de lá com sete estatuetas: melhor filme, diretor, atriz (a trans Daniela Vega), roteiro, montagem, júri popular e melhor interpretação feminina pelo voto do público. Desde sua primeira exibição internacional, no Festival de Berlim de 2017, esse drama LGBT chegou a lugares onde muitos de seus hermanos hispânicos jamais foram: totaliza até agora 24 prêmios internacionais, entre eles o Oscar de Hollywood (de melhor filme estrangeiro), e contabiliza uma bilheteria estimada em US$ 4 milhões - uma fortuna para um título não americano.

"Venho de uma geração que recomeçou o cinema chileno, destruído pelo jugo da ditadura. Antes dela, nos anos 1960, vivemos um momento de euforia criativa, com mestres na ativa. Mas nos sobrou só a memória deles, o que nos deixou com fome criar", disse Lelio ao jornal O Estado de S. Paulo, comemorando também as críticas elogiosas que recebeu no fim de semana nos EUA, ao lançar por lá uma produção em língua inglesa: "Disobedience", sobre um caso de amor entre duas mulheres (Rachel Weisz e Rachel McAdams) numa comunidade judaica ortodoxa. "Foi um começo bonito lá e uma continuidade feliz aqui".

Teve mais uma surpresa para os chilenos na entrega do prêmio de melhor ator: Alfredo Castro (em cartaz no Brasil com Severina) foi laureado por seu desempenho em Los Perros, num papel que evoca traumas deixados por Pinochet. O anúncio do nome de Castro (figura de prestígio no audiovisual hispano-americano) foi celebrado com ovações na festa do Platino. O mestre de cerimônias do evento foi o ator e diretor mexicano Eugenio Derbez, que há cinco anos fez 15 milhões de conterrâneos seus pagarem ingresso para rir com "Não Aceitamos Devoluções" (2013), em refilmagem agora no Brasil com Leandro Hassum. Coube a ele anunciar a homenagem de honra à atriz Adriana Barraza (também do México) e convocar as atrações musicais da cerimônia, que rendeu três troféus à coprodução Argentina-Brasil-Espanha, Zama, de Lucrecia Martel. Este épico intimista sobre a corrupção nas colônias espanholas venceu nas categorias som, fotografia (dada ao português Rui Poças) e direção de arte, confiado à pernambucana Renata Pinheiro, que deu um grito de "Lula livre!" ao fechar seu discurso de agradecimento. O tom político só aqueceu a celebração de estéticas latinas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.