• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Nise da Silveira ganha mostra sobre sua vida

  • COMPARTILHE
Entretenimento

Nise da Silveira ganha mostra sobre sua vida

A Unesco declarou os arquivos pessoais de Nise, quase 50 mil itens que estão no museu e serviram de base para a mostra

Do ateliê criado por Nise da Silveira (1905-1999) nos anos 1940, no Centro Psiquiátrico Pedro II, saíram quase 400 mil obras - todas parte do acervo do Museu de Imagens do Inconsciente, no Engenho de Dentro, no Rio, também fundado por ela e que segue vivo, ganhando novas obras dos frequentadores que ainda encontram ali um espaço de livre expressão, como ela quis.

Saíram obras e artistas. Mas esse não era o objetivo final daquele setor de Terapia Ocupacional. O que se buscava era o tratamento humanizado de pessoas em sofrimento psíquico.

Essa é a maior contribuição dessa psiquiatra que se autodenominava rebelde. Uma alagoana que, aos 15 anos, entrou para a faculdade de Medicina, aos 21 se formou com outros 257 médicos - todos homens -, foi presa como comunista por Getúlio Vargas, voltou à ativa depois da anistia, revolucionou a psiquiatria da época, conheceu e se correspondeu com Jung e ajudou milhares de clientes - ela não gostava de chamá-los de pacientes - a organizar seu caos interior e a expressar seus sentimentos, angústias, dores e desejos.

Seu trabalho no Engenho de Dentro que, quando ela chegou, contava com dois mil internos (muitos deles tratados depois nos ateliês de pintura, mas também de modelagem, marcenaria, bordado, etc), é parte do que pode ser visto na Ocupação Nise da Silveira, em cartaz até 28 de janeiro no Itaú Cultural.

Assim que o visitante entra na exposição, encontra fotos de Nise na infância, na faculdade, em casa. Estão ali reproduções de cartas dela para a mãe e um poema para o pai. Há vídeos com depoimentos de pessoas que a conheceram e que foram influenciadas por ela e por suas ideias. Informações sobre a prisão. Mais fotos. Os ateliês, as festas. A cumplicidade entre ela e seus clientes. O tratamento respeitoso expresso no olhar de cada um.

A história dos internos mais conhecidos também ganha destaque. Lemos num painel, por exemplo, a trajetória de Adelina Gomes (1916-1984), que se apaixonou aos 18, não teve a aprovação da mãe, foi se retraindo e retraindo até ser internada aos 21 com o diagnóstico de esquizofrenia. Até sua morte, produziu 17.500 obras.

Emygdio de Barros, Raphael Domingues, Fernando Diniz, Carlos Pertius, Isaac Liberato. Estão todos ali, em fotos e registros biográficos, e nas paredes - no primeiro andar da mostra, são expostas suas telas. Já no térreo, o visitante pode ver obras de pacientes contemporâneos e participar de atividades no ateliê.

Ainda no primeiro andar, vemos o vídeo gravado no congresso em Zurique, importante momento da carreira da médica, e Posfácio - Imagens do Inconsciente, o documentário iniciado em 1986 por Leon Hirszman (1937-1987) e concluído depois da morte do cineasta, por Eduardo Escorel. Apresenta, ainda, a animação Estrela de Oito Pontas, dirigido por Marcos Magalhães sobre desenhos de Fernando Diniz.

Mais adiante, acompanhamos sua relação com Carl Jung (1875-1961) e vemos reproduções em tecido das mandalas pintadas pelos internos. Um painel mostra os grupos de estudo de Jung criados por Nise.

Uma área maior da exposição é dedicada aos animais, tidos pela médica como coterapeutas. Há, ali, várias fotos de cães nos hospitais, com os internos, e fotos dela com seus gatos.

"Nise da Silveira foi uma grande pessoa, uma das mais autênticas e coerentes que conheci. Com ela, aprendi o respeito às questões do outro, a entender que o ser humano em sofrimento psíquico deve ser tratado com atenção e carinho", comenta Gladys Schincariol que, ao se formar em Psicologia em 1973, procurou Nise para um estágio. Nunca mais voltou para Campinas e é hoje coordenadora do Museu de Imagens do Inconsciente.

Duas felizes coincidências. Este mês, a Unesco declarou os arquivos pessoais de Nise, quase 50 mil itens que estão no museu e serviram de base para essa mostra, como Memória do Mundo. E esse arquivo em breve estará disponível para consulta na internet - o Itaú Cultural está patrocinando sua digitalização.