• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Patrick vê jogo contra o Corinthians como chance de afirmação para o Inter

  • COMPARTILHE
Esportes

Patrick vê jogo contra o Corinthians como chance de afirmação para o Inter

A vitória por 3 a 0 sobre a Chapecoense trouxe tranquilidade ao Internacional, que entrou em campo na última segunda-feira pressionado por estar dentro da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. Agora, então, a expectativa do volante Patrick é dar um passo além, com um triunfo sobre o Corinthians, atual campeão e candidato ao título nacional. Para ele, um novo resultado positivo seria uma afirmação da força da equipe.

"É um grande jogo. Uma chance para nos consolidar dentro de casa e no campeonato. Não tem jogo melhor para isso. É um time que toma poucos gols e não dá muito espaço para o adversário jogar", disse, em entrevista coletiva nesta quarta-feira, motivado para o confronto de domingo no Beira-Rio.

O Inter vai encontrar um adversário que está passando por uma mudança no comando, pois o técnico Fábio Carille aceitou proposta para se transferir ao Al-Wehda, da Arábia Saudita. E agora o time será dirigido por Osmar Loss, até então o seu auxiliar.

Patrick minimizou a situação e avaliou que o Inter vai ter pela frente um adversário forte. "Isso não fará muita diferença. O Osmar já está trabalhando com o grupo, conhece muito bem os jogadores. O Corinthians vem igual com ou sem o Carille", comentou.

O Inter convive com uma incerteza para o confronto com o Corinthians, pois o argentino D'Alessandro, que ficou fora dos últimos dois duelos do Inter, ainda se recupera de dores musculares e será julgado pelo Pleno do STJD. Patrick admitiu que o time precisará se desdobrar em campo caso o meia continue desfalcando a equipe.

"O D'Alessandro é muito bom na bola parada e ofensivamente tem um passe refinado. Quando ele não está em campo, perdemos um pouco desta qualidade. Mas nos esforçamos para suprir a ausência. Quando ele está em campo, fica mais responsável pela função de nos servir, mas quando não está, a gente se desdobra um pouquinho para ajudar o ataque", explicou.