• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Em 3 jogos no comando, Alberto Valentim coloca um fim ao chutão no Palmeiras

  • COMPARTILHE
Esportes

Em 3 jogos no comando, Alberto Valentim coloca um fim ao chutão no Palmeiras

No ataque, a regra é confundir a marcação, com deslocamento e aproximação. A movimentação dos atacantes pulverizou a defesa da Ponte Preta na vitória no estádio do Pacaembu, em São Paulo

São Paulo - Depois de três partidas, o técnico Alberto Valentim conseguiu deixar as suas digitais no jeito de jogar do Palmeiras. Em linhas gerais, os zagueiros saem jogando com a bola no chão, evitando chutões; o ataque se movimenta constantemente, sem uma referência na área; Keno, aposta do treinador, tem liberdade para atuar em todos os lados. Valentim rompeu com a maioria dos conceitos do ex-comandante Cuca.

Hoje, o Palmeiras marca por zona, ocupando um espaço e bloqueando o adversário. Zagueiros e laterais, por exemplo, colocam-se à frente do gol, fazendo um "paredão". Com Cuca, o time procurava encaixar a marcação e acompanhar o rival até o final da jogada.

Por outro lado, Alberto Valentim resgatou um dos grandes diferenciais do time campeão do ano passado: a marcação no campo do adversário. Foi assim que o Palmeiras conseguiu vencer os reservas do Grêmio por 3 a 1, completando três vitórias seguidas. Quase sempre eram seis palmeirenses no campo do rival. Foi o teste mais difícil até agora, mas o time foi bem.

No ataque, a regra é confundir a marcação, com deslocamento e aproximação. A movimentação dos atacantes pulverizou a defesa da Ponte Preta na vitória no estádio do Pacaembu, em São Paulo. Com Willian, Keno e Dudu na linha de frente, os zagueiros não sabiam a quem marcar. Com Cuca, o Palmeiras fazia mais ligações diretas e explorava a habilidade de Deyverson no jogo aéreo, dentro e fora da área. Ele sempre escorava para alguém.

O problema de Alberto Valentim - como na era Cuca - são as laterais. Tanto no ataque como na defesa. Contra a Ponte Preta, o time ficou vulnerável diante das bolas esticadas pelas pontas e cruzamentos rasteiros na área. Quase sofreu gol em três lances. Outra lição de casa se refere à proteção da zaga.