• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Queda do líder passa por 'seca' do trio formado por Jadson, Rodriguinho e Romero

  • COMPARTILHE
Esportes

Queda do líder passa por 'seca' do trio formado por Jadson, Rodriguinho e Romero

Rodriguinho e Jadson não marcam há 13 partidas. Romero vive uma seca ainda pior, de 22 jogos

São Paulo - Jô é o artilheiro do Corinthians no Campeonato Brasileiro com 15 gols, mas nunca esteve tão solitário na missão de balançar as redes quanto agora. Clayson é o único que o ajuda, um pouco. Jadson, Rodriguinho e Romero amargam um longo jejum de gols e ajudam a explicar a queda brusca do time no segundo turno.

A última vez que o Corinthians fez um gol no campeonato que não tenha sido de Jô ou Clayson foi na rodada que encerrou o primeiro turno, quando Rodriguinho marcou na vitória por 3 a 1 sobre o Sport, no dia 5 de agosto. Há quase três meses, portanto. Foi na 19.ª jornada.

Rodriguinho e Jadson não marcam há 13 partidas. Romero vive uma seca ainda pior, de 22 jogos. Nos últimos 13 confrontos, Jô e Clayson fizeram quatro gols cada e Maycon - pela Copa Sul-Americana - fez um.

Jadson não balança as redes desde o dia 12 de julho, na 13.ª rodada, quando o Corinthians derrotou o Palmeiras por 2 a 0. No domingo da semana que vem, dia 5 de novembro, completa um turno de secura. Já aquele gol de Rodriguinho contra o Sport ocorreu em uma fase em que o time deitava e rolava.

Romero amarga situação ainda pior. A última vez que ele festejou um gol no Corinthians foi em 11 de junho, pela 6.ª rodada do Nacional, quando a equipe superou o São Paulo por 3 a 2. Portanto, faz muito tempo. A falta de gols ajuda a explicar o momento de baixa da equipe.

Além do jejum, o trio não tem colaborado como deveria na criação das jogadas e os resultados evidenciam a queda de rendimento. Romero foi até para o banco de reservas na partida contra o Botafogo e entrou no intervalo justamente no lugar de Jadson, que teve outra atuação fraca.

No meio de tudo isso, a pressão só aumenta. A diferença para Palmeiras e Santos agora é de seis pontos (59 a 53) e, dependendo dos resultados da rodada deste final de semana, o clássico contra o time alviverde, no dia 5, pode causar a perda da liderança aos comandados do técnico Fábio Carille.

"Vamos entrar em campo para distanciar do segundo e encurtar o campeonato. O Corinthians é líder de forma indiscutível. Sabemos da oscilação, mas isso pode e deve ser revertido. Por isso, estamos nos cobrando muito internamente. Domingo temos mais uma oportunidade de mostrar que o líder está com sangue nos olhos para ser campeão", disse o volante Gabriel.