• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Premiação da CBF motiva clubes na reta final do Campeonato Brasileiro

  • COMPARTILHE
Esportes

Premiação da CBF motiva clubes na reta final do Campeonato Brasileiro

O campeão brasileiro deste ano vai embolsar R$ 18 milhões da entidade. O vice ficará com R$ 11,3 milhões e o terceiro classificado levará para casa R$ 7,7 milhões

São Paulo - Luta para chegar à frente na tabela pode valer alguns milhões de reais a mais na conta das 16 equipes que permanecerão na primeira divisão

Disputa pelo título, vaga na Copa Libertadores e luta contra o rebaixamento não são os únicos motivos para os clubes se dedicarem na reta final do Campeonato Brasileiro. Há mais atrativos. Uma posição acima ou abaixo na tabela de classificação pode fazer diferença na premiação dada pela CBF aos 16 times que permanecerão na Série A.

O campeão vai embolsar R$ 18 milhões da entidade. O vice ficará com R$ 11,3 milhões e o terceiro classificado levará para casa R$ 7,7 milhões.

A variação no valor de acordo com a classificação final faz com que times que estariam sem grandes aspirações nesta parte da disputa, como o Cruzeiro e outros, tenham motivo para se dedicar às últimas rodadas. A equipe do técnico Mano Menezes é a campeã da Copa do Brasil. Com isso, possui vaga para a Libertadores de 2018. Mesmo assim, quer subir na tabela de classificação.

Com 11 pontos atrás do líder Corinthians, a chance de brigar pelo título e de ser rebaixado é remota. Em quinto lugar após 31 jogos, o clube mineiro está ganhando R$ 4 milhões. Se ficar em quarto, o valor aumenta para R$ 5,6 milhões. Mas se cair para a sexta posição, a quantia ficará em R$ 2,8 milhões. "A gente sabe que as últimas rodadas têm importância pela questão financeira. Vamos em busca do melhor para o clube", disse Mano Menezes.

A premiação do Brasileirão sofreu considerável aumento desde 2016, quando a CBF firmou novo acordo de transmissão de TV. Em 2015, por exemplo, o valor total de prêmios era de R$ 35,8 milhões. No ano seguinte, a cifra saltou para R$ 60 milhões. E neste ano é de R$ 63,78 milhões.

O aumento faz com que o Brasileirão se torne mais interessante, sob o ponto de vista financeiro, do que a Copa Sul-Americana. O torneio continental pagará ao campeão, no máximo, R$ 12 milhões. O Nacional, porém, ainda está distante da Libertadores, que paga R$ 24 milhões ao campeão. A diferença também é gigantesca quando comparada com a Europa. O vencedor da Liga dos Campeões receberá até 59,2 milhões de euros (R$ 225,3 milhões), dependendo da fase em que ele entrou na competição.

O Chelsea, atual campeão inglês, ganhou R$ 168,2 milhões pelo título, mais R$ 206,8 milhões com o novo acordo de TV. No total, a equipe de Londres ficou com R$ 375 milhões por ter ficado com a taça nacional.

SUCESSO GARANTIDO - Corinthians e Palmeiras, os dois favoritos ao título deste ano, sonham com os R$ 18 milhões que serão pagos ao campeão, mas já estão aproveitando a boa fase para faturar. Contando a receita bruta dos jogos em casa, os rivais já guardaram mais do que o valor prêmio pago pela CBF.

O Corinthians tem renda bruta de R$ 32,3 milhões nos 15 jogos no estádio Itaquerão - uma média de R$ 2,1 milhões por partida. O Palmeiras aparece um pouco atrás, já que o Allianz Parque tem uma capacidade menor e o time disputou três jogos no estádio do Pacaembu. A equipe alviverde tem R$ 24,1 milhões de renda - e média de R$ 1,5 milhão por confronto.

Vale lembrar que o valor que o Corinthians arrecada em bilheteria não vai para os cofres do clube, mas para um fundo criado com o intuito de pagar a construção do estádio.