• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Crítico feroz da Fifa, inglês Gary Liniker vira humorista em festa na Rússia

  • COMPARTILHE
Esportes

Crítico feroz da Fifa, inglês Gary Liniker vira humorista em festa na Rússia

Gary Liniker foi duramente criticado pela imprensa inglesa por aceitar o cargo de chefe de cerimônias de um evento da entidade alvo de seus ataques.

Moscou - Um dos maiores críticos da Fifa nos últimos anos, o inglês Gary Liniker se transformou nesta sexta-feira, durante o sorteio da Copa do Mundo de 2018, em Moscou, na Rússia, em um humorista, arrancando risos dos cartolas e distribuindo brincadeiras com os demais ex-jogadores.

Gary Liniker foi duramente criticado pela imprensa inglesa por aceitar o cargo de chefe de cerimônias de um evento da entidade alvo de seus ataques. Ele havia exigido reforma da Fifa que jamais ocorreu e insistiu por meses em questionar o comportamento do presidente Gianni Infantino.

Nesta sexta-feira, acusado de hipocrisia por parte da opinião púbica de seu país, optou pelo fino humor britânico. Quando o italiano Fabio Canavaro foi retirar uma das bolas de um pote, Gary Liniker lançou uma ironia à desclassificação da Azzurra: "É sempre bom ter a participação de um italiano". Com Maradona, falou de como trabalha bem com sua mão, desde a época de jogador, em uma referência ao gol contra a Inglaterra, na Copa do Mundo de 1986.

Suas brincadeiras, porém, se contrastavam com a tensão visível no rosto dos treinadores que estavam ali para saber seus futuros. O brasileiro Tite, ao ser questionado sobre a festa, chegou a usar a palavra "teatro" para descrevê-la, antes de pedir que não se utilizasse tal expressão. "Eu estou ali concentrado e não presto muita atenção. Claro, é uma festa grandiosa", disse.

Quem também parecia preocupado era Joaquim Löw, treinador da Alemanha. Jorge Sampaoli, da Argentina, não achava graça das piadas e mantinha um semblante fechado, enquanto descobria que terá de superar a Nigéria.

Enquanto os treinadores faziam as suas anotações, ex-jogadores como Gordon Banks, Laurent Blanc, Cafu, Ronaldo e Ronaldinho Gaúcho dividiam o espaço com a elite política e econômica da Rússia, ávida por uma selfie com os astros.