• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Você sabe por que o céu no ES fica avermelhado? Entenda o que é esse fenômeno!

  • COMPARTILHE
Geral

Você sabe por que o céu no ES fica avermelhado? Entenda o que é esse fenômeno!

Esse fenômeno do céu avermelhado, apesar de chamar muito a atenção de quem o observa, não é raro e, inclusive, acontece com muita frequência, praticamente todo dia

Foto: Incaper

Certamente você já deve ter observado que o céu no Espírito Santo apresenta, com frequência, um tom avermelhado, que chama a atenção de todos. Mas você sabe o que causa essa tonalidade diferente no céu? Trata-se de um fenômeno ótico chamado Dispersão de Rayleigh, que é responsável pela coloração azul do céu, mas também provoca essa mudança durante o nascer ou pôr do sol e nas camadas mais baixas da atmosfera.

Contudo, no caso do céu alaranjado, o fenômeno ocorre quando as partículas maiores em suspensão na atmosfera (geralmente poeira, pólen, sal marinho e minúsculas gotículas de água) espalham a luz solar na faixa dos comprimentos de onda que compreendem as cores que vão do vermelho ao laranja. Esse fenômeno ocorre mais intensamente em baixas altitudes, onde essas partículas são mais abundantes.

Durante o nascer e pôr do sol, a luz solar percorre uma camada maior na atmosfera, interagindo com mais partículas que estejam em suspensão. Assim, o Espalhamento Mie torna-se dominante, deixando o céu com essa coloração alaranjada-avermelhada, característica.

Em locais de altitudes mais elevadas, o céu costuma ser mais azul, porque a quantidade de partículas que provocam a Dispersão de Rayleigh costuma ser menor. O Espalhamento Rayleigh também explica (em grande parte) a coloração azul do céu, resultado da dispersão da luz solar por partículas muito menores na atmosfera, nas horas em que o sol está mais elevado.

A dispersão Rayleigh é uma homenagem ao matemático e físico inglês John William Strutt, conhecido como Lord Rayleigh, pesquisador dos fenômenos ondulatórios.

As informações são do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper).