• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Em SP, viagens curtas de ônibus vão mudar em 1/3 dos itinerários

  • COMPARTILHE
Geral

Em SP, viagens curtas de ônibus vão mudar em 1/3 dos itinerários

A Prefeitura de São Paulo prevê que a nova licitação do transporte público atraia mais 952 mil pessoas por dia para o sistema, além de criar 105 mil vagas. Para fazer isso, a ideia é estabelecer trajetos curtos que, na prática, vão levar a alterações em um de cada três itinerários na capital.

Para explicar a redução de coletivos e linhas com acréscimo do número de lugares oferecidos a cada viagem, a gestão Bruno Covas (PSDB) argumenta que os novos ônibus serão maiores nos eixos de grande circulação, de ligação entre os terminais. Mas as mudanças no sistema, com o corte e a alteração de linhas, só deverão ter início 12 meses após a assinatura dos contratos. "Nenhuma mudança de linha será feita sem que a população seja informada", afirma o secretário municipal de Mobilidade e Transportes, João Octaviano.

O processo de mudança, ainda segundo o secretário, só deverá ser concluído em quatro anos. O valor por ano do serviço, pouco mais de R$ 8 bilhões, é o mesmo que a cidade gasta hoje com os coletivos, incluindo aí as receitas vindas do pagamento direto da passagem, feito na catraca, da venda de créditos para o bilhete único (em todas as modalidades) e dos subsídios que a Prefeitura gasta com o sistema (em 2018, a previsão é de R$ 2,2 bilhões).

Ainda ao falar da manutenção dos mesmos custos praticados atualmente, Octaviano argumentou que os empresários de ônibus do Município terão lucro menor que o atual. "A taxa de retorno deles vai cair de 14% para 9,8%", afirmou. O sindicato dos empresários (SPUrbanuss) só deve se pronunciar hoje sobre a mudança, mas diretores já deram a entender que vão cobrar "contrapartidas" que não estão claras na licitação, incluindo construção de terminais de ônibus e melhorias no viário paulistano.

Empresários que já estão na cidade ainda terão a vantagem de não precisar adquirir novas garagens. Já algum empreendedor de fora, que quiser participar do processo, terá de comprar um terreno para abrigar os coletivos e arcar com custos. A previsão é de que os envelopes com as propostas dos interessados sejam abertos entre 11 e 13 de junho. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.