• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Cerca de 30 famílias ocupam mais um prédio abandonado no Centro de Vitória

  • COMPARTILHE
Geral

Cerca de 30 famílias ocupam mais um prédio abandonado no Centro de Vitória

A ocupação aconteceu na noite desta sexta-feira. O imóvel é uma antiga fábrica de acessórios para óculos e não possui água e luz

Prédio abandonado foi ocupado na noite desta sexta-feira por cerca de 30 famílias

Cerca de 30 famílias que se dizem sem teto começaram a ocupar um prédio abandonado, localizado no Centro de Vitória, na noite desta sexta-feira (19). O imóvel é uma antiga fábrica de acessórios para óculos e não possui água e luz.

Com mais essa ocupação, subiu para cinco o número de imóveis ocupados pelo Movimento Nacional das Famílias Sem-Teto Vindas da Fazendinha (MNFTF). O coordenador do movimento, Vicente Mendes Filho, estima que cerca de 100 famílias estejam atualmente ocupando imóveis na capital capixaba.

"Temos também 40 famílias lá no Santa Cecília, protegidas por uma liminar do juiz. As pessoas só vão sair de lá mediante o município tomar uma postura para onde vão essas famílias", ressaltou o coordenador, que garante que, mesmo com as dificuldades, como a falta de água e luz no prédio ocupado, o movimento não vai abrir mão da luta por moradia.

A ocupação surpreendeu a ambulante Vera Lúcia Simões de Souza. Ela conta que há cinco anos paga R$ 100 de aluguel para usar o prédio como depósito do material que utiliza para trabalhar na região. "Mesmo que aí não tenha água e luz, tem semanas que eu durmo aí. Durante cinco anos eu durmo aí e fico aí o dia todo", contou.

Um dos novos ocupantes do imóvel é Marina Costa, que está grávida e desempregada. Ela foi para o local junto com o companheiro, Júnior Pereira, que também está sem emprego. Os dois dizem que, além de saúde, o que mais querem é um lugar onde a filha Hillary possa morar.

"Quero um lugar para criar minha filha e ter uma rotina de vida, porque se a gente ficar em situação de rua o conselho tutelar vem e retira a criança. E eu estou lutando para que isso não aconteça", afirmou Marina.