• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Estudante denuncia caso de racismo dentro da UFES

  • COMPARTILHE
Geral

Estudante denuncia caso de racismo dentro da UFES

A instituição disse que pode abrir um processo disciplinar e os alunos agressores serem até desligados.

Uma aluna da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) denunciou um episódio de racismo dentro do Campus de Goiabeiras, em Vitória. A estudante Jhenefer Tolentino contou que nunca havia sofrido injúria racial e não imaginava que aconteceria dentro de uma universidade.

"Foi terrível porque eu não esperava que isso acontecesse no século XXI. Eu estava no corredor do prédio em que estudo e alguns alunos do curso de Biologia estavam no mesmo corredor que eu, assobiando e atrapalhando a gente. Então pedimos para que eles parassem ou diminuíssem e eles não pararam. Quando saíram, voltou um casal e fez gesto e sons de macaco. Na hora não acreditei que estava acontecendo e depois fui atrás para saber porque eles tinham feito aquilo, então procurei outros estudantes do curso e eles disseram que não sabiam quem era", contou.

Ela ameaçou processar o Centro Acadêmico de Biologia e conseguiu descobrir quem era o casal responsável pela ofensa. A aluna chegou a se encontrar com eles, que disseram se tratar de um mal entendido, mas ela não aceita. Jhenefer tentou ainda registrar um boletim de ocorrência por injúria racial, mas não conseguiu. Na Delegacia, ela ouviu que só seria possível fazer o boletim

"Fui na Delegacia e chegando lá a delegada me informou que eu só poderia fazer a denúncia se conseguisse o endereço das pessoas. Eu fui atrás deles, chamei para conversar e eles falaram que tinha sido um mal entendido e que tinha entendido errado", conta.

A estudante comunicou o caso à Ouvidoria da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). Por meio de nota, a instituição disse que pode abrir um processo disciplinar e os alunos agressores serem até desligados. 

A Polícia Civil informou que nenhum policial pode se recusar a registrar ocorrências e disse ainda que vai verificar internamente o suposto ocorrido.