• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Frota reduzida e falta de ônibus em áreas de Guarapari

  • COMPARTILHE
Geral

Frota reduzida e falta de ônibus em áreas de Guarapari

Pelo menos 10 linhas de ônibus não estão circulando na cidade.

Aline Couto

Redação Folha da Cidade
Uma das reclamações dos moradores é a demora entre os ônibus.

O Tribunal de Contas do Estado (TCE – ES) recebeu denúncia, feita pelo vereador de Guarapari, Thiago Paterlini (PMDB), sobre a falta de coletivos que deveriam circular no município, como foi acordado no contrato de concessão realizado entre a empresa responsável pelo transporte público, Expresso Lorenzutti, vencedora da licitação em 2016, e a Prefeitura de Guarapari.

Segundo o vereador, algumas comunidades não estão sendo atendidas e, quando são, os veículos estão em péssimas condições. “As reclamações da população são constantes. Diversas linhas para o Centro e para comunidades rurais, que constavam no contrato, não estão rodando. Como em Santa Rita, perto da Comunidade de Todos os Santos, interior de Guarapari”.

A denúncia foi feita pelo vereador Thiago Paterlini. 

De acordo com o vereador, o contrato não está sendo cumprido. “De acordo com o contrato, a cada ano deveria aumentar a quantidade de ônibus que circulam pelo município, mas não é o que acontece. As linhas 02, 16, 17, 21, 43, 45, 49, 51, 53, 56 nunca saíram do papel”, descreveu Paterlini.

Na denúncia do vereador também consta a falta de fiscalização do executivo para com o setor de transporte da cidade e a suspeita de irregularidades nos aumentos das passagens em 2016, ocorreram dois, e o aumento desse ano. “Apesar desses aumentos nas passagens, não vemos nenhuma melhora no serviço da empresa responsável e nem fiscalização da prefeitura para com a prestadora, exigindo serviço de excelência”, disse.

Outra alegação do parlamentar é a falta de manutenção na rampa elevatória dos coletivos, o que dificulta o transporte dos cadeirantes. “É uma situação constrangedora, os deficientes ficam à mercê desse serviço mal feito e são obrigados a passar por essa humilhação. Precisamos de um olhar mais perto da população, são poucos ônibus para a demanda de Guarapari. Falta abrigo para os pontos, o tempo de espera entre as conduções é muito grande, e nos finais de semana a frota diminuiu ainda mais e aumentando assim a dificuldade de mobilidade dos moradores”, pontuou Thiago.

Recibo da documentação entregue no TCE-ES.

Outro lado

A Expresso Lorenzutti e a Prefeitura de Guarapari foram procuradas pela reportagem. A Lorenzutti garantiu que cumpre o edital de licitação. Já a Prefeitura não respondeu até o fechamento desta matéria.