• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Justiça vai decidir sobre guarda de criança abandonada pela mãe na BR 101, na Serra

  • COMPARTILHE
Geral

Justiça vai decidir sobre guarda de criança abandonada pela mãe na BR 101, na Serra

Familiares da criança entraram com pedido de guarda provisória. Uma audiência deve ser realizada ainda nesta segunda-feira

O menino abandonado pela mãe argentina em um ponto de ônibus na Serra, na última sexta-feira (18), permanece em um abrigo. Após ser detida pela polícia, a mulher foi internada em um hospital especializado em tratamento psiquiátrico. Uma das hipóteses é que ela tenha tido um surto.

O avô materno da criança está no Espírito Santo e pediu a guarda provisória do menino. Nesta segunda-feira (21) será realizada uma audiência no 1º Juizado da Infância e da Juventude da Serra. Familiares vão participar do encontro que vai decidir o futuro da criança.

Após ser encontrado, o menino foi encaminhado para o Conselho Tutelar de Laranjeiras, na Serra. Foi onde ele passou as primeiras horas longe da mãe. Segundo a conselheira tutelar Maruza Fontes Dias, ele estava muito nervoso e a dificuldade de comunicação tornou o trabalho ainda mais complicado. “Quando ele chegou, falava muito, mas a gente não conseguia entender nada pelo sotaque. Não conseguimos identificar muita coisa”, disse.

A criança, de pouco mais de 2 anos, foi abandonada pela mãe, uma argentina, de 29 anos. Ela foi deixada em um ponto de ônibus da BR 101, na Serra. Foi um motorista de aplicativo de transporte particular quem viu a cena e acionou a polícia.

A família é da Argentina e mora em Itacaré, na Bahia. O avô foi alertado pela polícia, assim que mãe da criança foi localizada, em Fundão. Ela continua internada no Hospital Estadual de Atenção Clínica, em Cariacica. A unidade é especializada em atendimento psiquiátrico.

De acordo com a conselheira tutelar, futuramente, a guarda da criança pode voltar para a mãe. “Ela vai fazer um tratamento e depois vai poder ter o filho de volta. Enquanto isso, é a família que vai tomar conta”, disse.