• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Macron deseja que techs vejam França como a porta de entrada para a Europa

  • COMPARTILHE
Geral

Macron deseja que techs vejam França como a porta de entrada para a Europa

O presidente da França, Emmanuel Macron, pediu nesta quinta-feira que os líderes de tecnologia invistam no país, dizendo que suas políticas de inovação visam tornar a França a porta de entrada para a Europa. Falando parcialmente em inglês diante de executivos de techs, Macron comentou que "é porque a França está mudando como um louco que podemos dizer que a França está de volta e vocês podem nos escolher".

Ele disse que sua reforma trabalhista impulsionou o investimento no país no ano passado. As mudanças, especialmente destinadas a dar aos empregadores mais flexibilidade para contratar e demitir, provocaram uma série de greves e protestos contra o que os sindicatos veem como enfraquecimento dos direitos dos trabalhadores. O discurso na feira de Vivatech, em Paris, ocorreu um dia depois de Macron ter se encontrado com representantes do Facebook, Microsoft, Uber e IBM para discutir proteção de dados pessoais e impostos, entre outros assuntos.

O presidente francês pressionou por regulamentos mais rígidos da UE e por um imposto digital europeu. "Aqueles que inovam na França pagam impostos. Estamos diminuindo esses impostos bem, mas não é justo quando alguém não paga impostos", disse. A privacidade foi outro problema que Macron criou quando uma nova e dura lei europeia de proteção de dados entrou em vigor. O chamado regulamento GDPR dará aos europeus mais controle sobre o que as empresas podem fazer com o que publicam, pesquisam e clicam.

O presidente-executivo da Microsoft, Satya Nadella, disse em um discurso nesta quinta-feira que, "com o GDPR, teremos que operar reconhecendo que a privacidade é um direito humano". A empresa afirmou que aplicaria os direitos de dados europeus a todos os clientes em todo o mundo. Já o presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, disse que o GDPR significa adicionar alguns controles, mas insistiu que "não é uma saída maciça" do que já é feito pela rede social. Fonte: Associated Press.