• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Maduro agradece Rússia, China, Turquia e Opep por reconhecer reeleição

  • COMPARTILHE
Geral

Maduro agradece Rússia, China, Turquia e Opep por reconhecer reeleição

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, usou o Twitter nesta segunda-feira para agradecer aos líderes de Rússia, China, Turquia e Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) por reconhecerem a reeleição dele para um novo mandato de seis anos.

Maduro disse que fortes laços de cooperação unem Venezuela e Rússia e agradeceu o presidente Vladimir Putin pelo "reconhecimento do nosso triunfo". "Seguiremos trabalhando juntos pela construção de um mundo multipolar", afirmou o líder venezuelano.

Sobre a China, Maduro agradeceu ao presidente Xi Jinping e que ambos os países continuarão "seu destino comum, de desenvolvimento e prosperidade para nossos povos".

"Agradeço a Recep Tayyip Erdogan por suas felicitações pela reeleição e lhe desejo êxito nas eleições de junho em seu país", escreveu Maduro em outra mensagem, em relação ao presidente da Turquia.

O presidente venezuelano agradeceu também o reconhecimento do secretário-geral da Opep, Mohammed Barkindo. "A Organização pode seguir contando com a Venezuela para continuar escrevendo um novo capítulo da história petroleira no mundo", disse.

De acordo com o Conselho Nacional de Eleição da Venezuela, com 98% das urnas apuradas, Maduro tinha 68% dos votos válidos no pleito realizado ontem.

A votação, no entanto, é contestada pelos Estados Unidos e por membros do Grupo de Lima, entre os quais o Brasil.

"Nas condições em que ocorreu - com numerosos presos políticos, partidos e lideranças políticas inabilitados, sem observação internacional independente e em contexto de absoluta falta de separação entre os poderes - o pleito do dia 20 de maio careceu de legitimidade e credibilidade", disse o Itamaraty, em nota.

Mais cedo, os Estados Unidos emitiram um decreto que restringe a capacidade do governo da Venezuela de liquidar ativos e comercializar títulos.