• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Petróleo cai com sinalização de aumento da produção da Opep e tensão geopolítica

  • COMPARTILHE
Geral

Petróleo cai com sinalização de aumento da produção da Opep e tensão geopolítica

O movimento vem em resposta aos preços que atingiram o maior nível em quase três anos

Os preços do petróleo recuam com força nesta sexta-feira, à medida que grandes produtores de petróleo, incluindo a Arábia Saudita e a Rússia, mostraram-se dispostos a injetar mais petróleo no mercado. Além disso, tensão geopolítica entre os EUA e Coreia do Norte pesam sobre a commodity.

Às 8h45 (de Brasília), o petróleo WTI para julho tinha baixa de 2,06%, a US$ 69,25 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), no menor nível em duas semanas e meia, enquanto o Brent para julho recuava 2,35%, a US$ 76,94 o barril, na ICE.

O ministro de petróleo da Arábia Saudita, Khalid al-Falih, disse nesta sexta-feira que começaria discussões em junho com outros membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e produtores externos, como a Rússia, para reduzir o corte na produção, informou a Bloomberg.

O movimento vem em resposta aos preços que atingiram o maior nível em quase três anos e estão começando a atingir os bolsos dos consumidores. Falih, o chefe de fato da Opep, disse que a ansiedade do consumidor "é uma preocupação para nós".

"Você pode interpretar isso em sentido otimista", disse Bjarne Schieldrop, o principal analista de commodities da SEB Markets. "Colocar um pouco de óleo no mercado evitará que os preços do petróleo cheguem a US$ 100 no segundo semestre de 2018, o que é bom", acrescentou.

A Opep e alguns produtores externos, como a Rússia, estão envolvidos em um esforço desde 2016 para remover quase 2% da oferta mundial de petróleo bruto em uma tentativa de sustentar o valor do petróleo.

Analistas projetam que o mercado de petróleo entrará em um déficit na segunda parte deste ano e em 2019 de 500 mil barris e depois 300 mil barris diários, uma vez que a demanda supera a oferta.

Especialistas alertam que grandes eventos geopolíticos também podem pesar no mercado. Ontem, o presidente dos EUA, Donald Trump, cancelou uma reunião para negociar com a Coreia do Norte o seu programa nuclear, e analistas alertam que o aumento das tensões entre Washington e Pyongyang pode pesar sobre o petróleo.

"A demanda por petróleo pode sofrer se o conflito norte-coreano crescer novamente", disseram analistas do Commerzbank em nota. "Afinal, três dos cinco maiores países importadores de petróleo do mundo são encontrados na região: China, Japão e Coreia do Sul".

Turbulência no Oriente Médio e a imposição de sanções dos EUA contra o maior produtor de petróleo do Irã também apoiaram o petróleo bruto. Ainda assim, o plano do governo Trump deverá remover cerca de 500 mil barris por dia do mercado.

Mais tarde, nesta sexta-feira, será divulgado o número de poços e plataformas em atividade nos EUA pela Baker Hughes. Fonte: Dow Jones Newswires