• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Assistir jogos da Copa do Mundo no trabalho é permitido? Saiba mais!

FOLHA NA COPA

  • COMPARTILHE
Geral

Assistir jogos da Copa do Mundo no trabalho é permitido? Saiba mais!

A legislação não prevê que funcionários parem as atividades para acompanhar os jogos

Thaiz Blunck

Redação Folha Vitória

A Copa do Mundo está chegando e o clima "verde e amarelo" já começou a invadir as ruas, lojas e empresas de diferentes setores. Para a sorte dos torcedores, o primeiro jogo do Brasil acontece no domingo, 17 de junho. No entanto, para o azar também, outras partidas acontecem durante a semana, em horário comercial.

Por não se tratar de um feriado, as empresas não têm obrigação de liberar os empregados. Sendo assim, a alternativa de muitos vai ser acompanhar o mundial no local de trabalho mesmo. Mas paralisar as atividades para isso é permitido? 

Segundo o advogado trabalhista Cleodemir Martins, a legislação não prevê que funcionários parem as atividades para acompanhar os jogos, mas as empresas podem fazer um acordo para que a pausa seja compensada posteriormente.

"Isso é mais um questão de acordo entre as partes. Muitos falam em compensação do tempo, por exemplo. No momento do jogo as atividades são paralisadas e depois isso será compensado em algum momento. Informalmente falando, na hora do jogo, de fato, os funcionários vão parar para assistir, então cabe aos empregadores definirem se é viável ou não fazer um acordo", afirma.

O também advogado trabalhista, Rodrigo Melo, destacou que, caso a empresa determine que os funcionários não assistam aos jogos dentro do local de trabalho, quem contrariar está sujeito a advertência ou até mesmo suspensão.

"O funcionário só vai assistir dentro do local de trabalho se a empresa autorizar. Se o empregador disser que não pode assistir aos jogos por algum motivo e o funcionário desrespeitar isso, ele pode ser advertido ou suspenso. Mas estamos pensando em uma situação muito remota, acredito que as empresas não farão isso", destacou Rodrigo.