• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Cursos gratuitos são opção para inserir jovens de regiões violentas do ES no mercado de trabalho

TRANSFORMAÇÃO

  • COMPARTILHE
Geral

Cursos gratuitos são opção para inserir jovens de regiões violentas do ES no mercado de trabalho

Trata-se das 700 vagas em cursos profissionalizantes gratuitos nas áreas de auxiliar de escritório, de auxiliar de panificação, de ajudante de cozinha e de informática

Cursos dão a jovens oportunidade de inserção no mercado de trabalho | Foto: TV Vitória

Apesar de a taxa de desemprego no Espírito Santo ter apresentado redução, mais de 240 mil capixabas ainda estão fora do mercado de trabalho, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que analisou os números relativos ao último trimestre de 2017.

O cenário ainda é preocupante, porém, os jovens moradores de regiões vulneráveis à violência no Estado têm à disposição a oportunidade para conseguirem uma ocupação. Trata-se das 700 vagas em cursos profissionalizantes gratuitos nas áreas de auxiliar de escritório, de auxiliar de panificação, de ajudante de cozinha e de informática.

As inscrições para as vagas, oferecidas pelo Ocupação Social em parceria com o Sesi, foram divididas em duas etapas e a primeira já está aberta, com prazo para encerrar no dia 10 de junho. São 510 vagas em 22 turmas. O formulário de inscrição está no site www.direitoshumanos.es.gov.br, no link Cursos Sesi. As outras 190 vagas, em oito turmas, ficam para a segunda fase de inscrição, que vai acontecer entre 02 e 10 de julho.

Cursos gratuitos são opção para inserir jovens de regiões violentas do ES no mercado de trabalho

A moradora do bairro Central Carapina, na Serra, Damares Amaro, de 20 anos, acabou de passar em biologia, na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). Segundo ela, o bom resultado, começou a ser construído em um dos cursos do projeto. "Me ajudou até mesmo nas notas do Enem. O curso ajudou muito a abrir a minha mente para esse conhecimento", conta.

Jovens como a Damares representam mais de 30% da população de Central Carapina. São jovens de 15 a 24 anos, dos quais a maioria é negra. São rapazes e moças que fazem parte de uma triste estatística. De acordo com o Altas da Violência, divulgado nesta semana, o número de homicídios de jovens negros até teve queda de 17%, de 2015 para 2016, mas ainda assim eles morrem quase cinco vezes mais do que os jovens brancos.

"Nós temos aí, dentro da faixa de jovens negros, o maior índice de vulnerabilidade no que diz respeito à educação, saúde, integração social... Então, a segurança pública é diretamente ligada às questões sociais. Onde existe uma omissão, uma redução e uma mitigação de políticas públicas de educação, saúde, de integração ao emprego... Nós temos, como produto dessa omissão, esse elevado índice de homicídios", explica o especialista em segurança pública Raphael Pereira", explica o especialista em segurança pública Raphael Pereira.

Foi exatamente no ano em que a taxa de homicídio começou a cair no Espírito Santo, que foi implantado o programa Ocupação Social. Desde 2015, a Secretaria de Estado de Direitos Humanos (SEDH) desenvolve atividades em 26 bairros tidos como os mais violentos do Estado. 

"Nesses mais de 28 mil atendimentos que já foram realizados, nós analisamos alguns indicativos, entre eles: a redução dos homicídios nessas áreas, que foi o que justificou a implementação do projeto para que a gente possa trazer de volta esse jovem para a escola e que possa qualifica-lo para trazer oportunidades de trabalho, o que a gente vem alcançando também", fala o secretário de Direitos Humanos, Leonardo Oggioni.

Ao todo serão 30 turmas, distribuídas pelos 18 bairros atendidos pelo Programa Ocupação Social, localizados da Grande Vitória. Todas as aulas serão realizadas nessas comunidades, graças às parcerias fechadas com instituições sociais e prefeituras. A estudante Ariane Pessoa conhece bem a estrutura. Ela já concluiu um curso e agora aproveitou para aprender um novo.

"Vou fazer outro. Espero que eu seja selecionada. Tem muitas pessoas que não podem pagar e, com o Governo dando esses cursos, já é uma oportunidade", diz Ariane.

Veja o vídeo abaixo: