• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Música se torna alternativa para jovens que vivem em bairros violentos do ES

TRANSFORMAÇÃO

  • COMPARTILHE
Geral

Música se torna alternativa para jovens que vivem em bairros violentos do ES

Nesses locais, a música tem surgido como oportunidade para que os jovens consigam fugir do cenário vulnerável

Lara Pereira Muniz, de 12 anos, é aluna do projeto Fames nas Comunidades | Foto: TV Vitória

Diversos bairros do Espírito Santo sofrem com o alto índice de violência. Em 2015, cerca de 40% das vítimas de homicídios no Estado eram de jovens com idades entre 15 e 24 anos. O percentual passa dos 50% quando são analisadas, exclusivamente, as regiões capixabas mais vulneráveis à violência.

Nesses locais, a música tem surgido como oportunidade para que os jovens consigam fugir do cenário de violência. É o caso da estudante Lara Pereira Muniz, de 12 anos. Enquanto muitos adolescentes da idade dela não possuem nenhum tipo de ocupação, ela investe nos estudos da música clássica.

O gosto é curioso para a idade de Lara, porém, a família revela que a menina possui um dom e aprendeu a tocar instrumento sozinha. "Ela começou, através de brincadeira, com jogos musicais e nós descobrimos que ela gostava do teclado. Com 5 ou 6 aninhos ela já estava tocando no computador", fala Francinete Pereira, mãe da jovem.

Música se torna alternativa para jovens que vivem em bairros violentos do ES

Há um ano, Lara entrou no projeto Fames nas Comunidades e descobriu a paixão pela música. Orgulhosa, a mãe não mede esforços e faz de tudo para apoiar a filha. Quando tinha apenas seis anos, a menina foi diagnosticada com autismo. O que ela sente quando entra em contato com a música, vai além da melodia.

"Quando eu toco uma música, por exemplo, no teclado, eu sinto o meu coração esquentar. Nesse dia, quando eu toquei teclado, foi o dia mais feliz da minha vida. Eu me sinto muito feliz. Me sinto livre. Eu sinto como se estivesse tocando para todo mundo. Eu queria mostrar o meu talento para todos. Esse é o meu sonho", conta a jovem.

"A Lara deu um salto de uns 90% na vida dela em relação à música, ao aprendizado. Ela é muito responsável e não perde as aulas. Não preciso nem ficar chamando, ela mesmo levanta, se arruma e me chama", comenta Francinete. 

A adolescente e outros alunos são ensinados pelo professor Aylton Neres Souza nas oficinas que acontecem na igreja Batista de Santa Rita, em Vila Velha, um dos bairros atendidos pelo projeto. Neres conta que conhece de perto a realidade da região.

"Nasci na comunidade, comecei com muita dificuldade, vim de uma família pobre... Estudando música, devagarzinho, consegui me formar e hoje trabalho na instituição que é a mais respeitada do Estado, a Fames, onde me formei e trabalho como professor na minha comunidade, onde eu nasci", revela o professor.

O Fames nas Comunidades acontece desde 2017. No início, as aulas aconteciam em dois bairros. Aos poucos, a cada mês, novas comunidades recebem o projeto. Atualmente, o Fames nas Comunidades já atende bairros do Ocupação Social, programa coordenado pela Secretaria de Direitos Humanos (SEDH) atuante em 26 bairros de noves cidades do Espírito Santo de maior vulnerabilidade social e, consequentemente, que concentram o maior número de homicídios.

Para o diretor da Faculdade de Música do Espírito Santo (Fames), Paulo Pelossari, os cursos são oportunidades aos jovens moradores de regiões vulneráveis. "Esse projeto começou, no início do Governo, com um mapeamento de bairros onde havia alto índice de homicídios entre jovens. E então esse projeto busca, exatamente, captar esses jovens para um caminho bom, o caminho da música, que tem o papel de amenizar os conflitos sociais", diz.

Quase 4 mil alunos são atendidos pelo Fames nas Comunidades. São 180 vagas para cada bairro atendido: São Torquato, Santa Rita, Barramares e Ulisses Guimarães (Vila Velha), Nova Palestina e Bairro da Penha (Vitória), Jardim Carapina, Vila Nova de Colares, Central Carapina, Bairro das Laranjeiras, Novo Horizonte e Planalto Serrano (Serra), Castelo Branco, Flexal, Nova Rosa da Penha e Nova Esperança (Cariacica), Ayrton Senna (Colatina), Interlagos (Aviso), Zumbi (Cachoeiro de Itapemirim), Vila Nova (São Mateus) e Centro (Pinheiros).

Se interessou?

O Fames nas Comunidades segue com vagas disponíveis. São ao todo 363, sendo: 77 na Região da Penha, em Vitória; 52 no bairro Barramares, em Vila Velha; 48 no bairro Central Carapina, na Serra; 27 no bairro Novo Horizonte, na Serra; 64 no bairro Nova Esperança, em Cariacica; e 95 no bairro Zumbi, em Cachoeiro de Itapemirim. As inscrições podem ser feitas no link Fames nas Comunidades, disponível no site www.direitoshumanos.es.gov.br, até dia 10 de junho.

Veja o vídeo abaixo: