• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Projeto Sereias: pesca ilegal é grave problema na Baía de Vitória

Geral

Projeto Sereias: pesca ilegal é grave problema na Baía de Vitória

De janeiro a outubro, mais de 14,7 mil metros de redes de pesca foram apreendidas pela Secretaria de Meio Ambiente da capital

Andressa Missio

Redação Folha Vitória
Foto: Projeto Pegada
Fiscais da Prefeitura de Vitória retiram tartaruga de rede de pesca, a´´pós denúncia de voluntários do Projeto Pegada

Pescador que é pescador sabe: é proibido usar redes de pesca na Baía de Vitória, pelo menos entre a praia e o píer de Tubarão. Mas a lei não impede a prática. 

Só este ano, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente da capital apreendeu 14,7 mil metros de redes em locais proibidos. Em alguns casos, as armadilhas haviam sido deixadas durante a noite para serem retiradas pela manhã. Em outros, houve flagrante da ação e 14 pessoas foram encaminhadas para a delegacia. No período de dez meses, 66 multas foram aplicadas, no valor total de R$ 124 mil

De acordo com a gerente de Fiscalização de Vitória, Priscila Alvarino, a equipe realiza toda semana, em horários variados, ações contra pesca predatória no munícipio. "Essas redes acabam capturando muitas espécies e animais que estão em fase de crescimento, sendo que muitos acabam morrendo", disse a gerente. 

Tartarugas e golfinhos 

Voluntários e ambientalistas que atuam no litoral capixaba já perderam as contas do número de animais encontrados mortos em redes de pesca. O diretor-presidente e fundador do Projeto Pegada, Rafael Braga, explica que chega a encontrar até 20 tartarugas em uma ´única rede, além de arraias, peixes de todos os tamanhos e golfinhos. Em alto mar, já encontrou até baleias e outros animais de grande porte presos. 

"É um problema enorme que temos no Espírito Santo e em todo o Brasil. As redes de pesca são predatórias porque não selecionam as espécies. Recolhem tudo o que está à frente. Peixes pequenos, que nem servem para o comércio, morrem e são descartados. Sem falar nas tartarugas e golfinhos", alerta o ambientalista. 

Os voluntários chegam a fazer respiração boca a boca nos animais, para tentar salvá-los. "Às vezes até conseguimos, mas é triste quando chegamos tarde demais. Tartarugas e golfinhos só conseguem ficar vinte minutos debaixo da água. Depois desse período, precisam subir à superfície para respirar. Como ficam presos às redes, acabam morrendo afogados", explica Rafael. Ele completa que é permitido pescar, mas não com redes. "Não somos contra a pesca, nós amamos essa atividade. Mas há outras formas de pescar", diz.

Foto: divulgação PMV
14,7 mil metros de redes de pesca são apreendidas este ano em Vitória

Legislação

De acordo com a lei nº 9.077/17 , quem for flagrado pescando com qualquer tipo de rede na Baía do Espírito Santo e nos canais de Vitória e Camburi terá todo o material apreendido, pagará multas - que podem variar de R$ 700,00 a R$ 100 mil - e ainda responderá a processo por crime ambiental, podendo ser, inclusive, preso.

Gecopi

O secretário de Meio Ambiente de Vitória, Luiz Emanuel Zouain, ressalta que a fiscalização da Semmam faz parte do Grupo de Combate à Pesca Ilegal (Gecopi), que é composto por Polícia Ambiental, Polícia Federal, Delegacia de Crimes Ambientais, Ibama e Capitania dos Portos que atuam em conjunto em ações de combate à pesca predatória. 

Projeto Sereias

Leia outras reportagens: 

Sereias Capixabas se reúnem em Workshop

Ligações à rede coletora de esgoto ainda são desafio às prefeituras

24 ton de lixo nas praias de Vitória

Saiba para onde vai o esgoto da Grande Vitória

Rede Vitória lança Campanha Ambiental

Poluição e Esperança