• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

'Como um bar pode funcionar e as escolas não podem abrir?', questiona presidente do Sinepe

CORONAVÍRUS

Geral

'Como um bar pode funcionar e as escolas não podem abrir?', questiona presidente do Sinepe

A nova determinação é resultado das mudanças ocorridas no Mapa de Risco da covid-19, divulgado pelo governo do Estado

Foto: TV Vitória

As aulas presenciais de escolas públicas e particulares de cinco municípios do Espírito Santo serão suspensas, temporariamente, a partir da próxima segunda-feira (23), e voltarão a acontecer apenas de forma remota. A nova determinação ocorre por causa das mudanças no Mapa de Risco da covid-19, divulgado pelo governo do Estado na sexta-feira (20).

Com a nova classificação, Vitória, Cariacica, Viana e Barra de São Francisco migraram para o Risco Moderado. Ecoporanga já estava nessa situação e permanecerá na semana que vem. Segundo os protocolos sanitários estabelecidos pelas secretarias de Saúde e de Educação, as aulas presenciais estão autorizadas apenas em municípios de Risco Baixo.

O secretário de Educação, Vitor de Ângelo, explicou o critério utilizado pelo Estado para definir a abertura e fechamento das escolas e reforçou que as atividades presenciais nas instituições das cidades de Risco Moderado estão suspensas temporariamente e poderão retornar quando estes municípios forem classificados como Risco Baixo novamente. Confira:

Em entrevista ao Folha Vitória, o secretário explicou que as escolas destes municípios não estão sendo fechadas por serem consideradas inseguras. "Estamos adotando esses critérios desde o retorno das atividades presenciais. Aconteceu em municípios do interior do Estado e agora acontece em alguns aqui da região metropolitana. Ressalto que não estamos fechando as escolas por consideramos ambientes perigosos, mas como já estávamos adotando estes critérios antes, mudar agora implicaria uma série de outros fatores e não fazia sentido, principalmente restando poucas semanas para as aulas terminarem", explicou Vitor.

O presidente do Sindicato das Empresas Particulares de Ensino do Espírito Santo (Sinepe-ES), Moacir Lellis, destacou o fato de bares e restaurantes poderem continuar funcionando, mesmo que com restrição de horário, e afirmou que viu a medida com estranheza, pois em outros países que enfrentam aumento de casos de covid-19, as escolas não foram fechadas.

"Estranhamos a notícia, pois como que um bar pode funcionar até 22h e as escolas não podem abrir? Nossas escolas estão cumprindo um rígido protocolo de biossegurança, estamos tendo visitas da Vigilância Sanitária corriqueiramente. Se você observar os países da Europa que estão tendo a segunda onda agora, fecharam tudo, menos as escolas. Por isso nós estranhamos, e muito", disse.

Moacir ressaltou ainda que as medidas sanitárias das instituições de ensino são eficientes e que os estudantes, principalmente os mais novos, serão impactados negativamente com o fechamento das escolas nas cidades de Risco Moderado.

"Nossos protocolos são muito mais exigentes que o do comércio, por exemplo. As crianças das idades mais baixas precisam dessa socialização. Estamos desapontados e tristes, pois a educação é maior bem que seu povo tem e agora estamos interrompendo esse ciclo. Porém, o governador é a autoridade máxima do Estado, estamos aguardando o decreto, para ler com calma, mas vamos ter de cumprir", finalizou Lellis.

Leia também:

>> Escolas de Vitória, Cariacica e Viana terão atividades presenciais suspensas na semana que vem

>> Bares e restaurantes de 5 cidades voltam a funcionar com restrições de horário na semana que vem