• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Dores crônicas aumentam no inverno, segundo médico capixaba

  • COMPARTILHE
Geral

Dores crônicas aumentam no inverno, segundo médico capixaba

O especialista afirmou que problema atinge 34% das mulheres e 24% dos homens e deve ser tratado rapidamente

Dias frios podem ser muito desagradáveis para portadores de dores crônicas, que sentem os sintomas com mais intensidade. De acordo com médico especialista em dor Dr. André Félix, o problema atinge 34% das mulheres e 24% dos homens devido a questões hormonais e deve ser tratado precocemente.

O motivo da piora da dor crônica nos dias frios é que as baixas temperaturas causam uma constrição vascular e as articulações tendem a ficar menos lubrificadas, o que acarreta em contração da musculatura. “Esse processo prejudica a circulação corpórea e, consequentemente, causa maior sensibilidade à dor e ao frio”, explicou.

Dor crônica é aquela que persiste por mais de um semestre e pode ser derivada de uma lesão anterior ou adquirida com o desgaste dos anos. “Males como reumatismo, lombalgia, artalgia, depressão, neuropatias diabéticas ou não, doenças da microcirculação (microangiopatias), entre outras, são normalmente acompanhadas de dores crônicas. Com o tempo, as sensações dolorosas alteram os circuitos cerebrais e a dor crônica pode ser considerada a própria doença”.

TIPOS DE DOR

De acordo com o médico, a dor crônica pode ser dividida em três tipos: de origem não maligna, como a dor lombar, artrite reumatoide e fibromialgia; a intermitente, que é a dor de cabeça provocada pela enxaqueca; e a dor maligna, associada ao câncer e a síndrome da imunodeficiência adquirida. “Todas pedem cuidados e tratamentos de diferentes formas”.

Para o especialista, a ocorrência da dor depende da situação e da idade da pessoa. “Uma mulher magra pode ter artrite reumatoide e sentir dores principalmente nas mãos, punhos e pés”. “Já um jovem obeso pode apresentar dores nos joelhos por motivo de gornartrose (desgaste anormal da articulação do joelho). Por outro lado, uma criança pode ter dores crônicas nos joelhos devido a famosa ‘dor do crescimento’, e um idoso é propenso a adquirir dores nas vértebras em decorrência da osteoporose, que é a perda de cálcio dos ossos”.

PREVENÇÕES E CUIDADOS

Para evitar a persistência das dores crônicas na estação fria, alguns cuidados são necessários. Félix afirma que, ao acordar, é importante esticar bem os calcanhares, levando os dedos dos pés em direção às canelas para alongar a panturrilha (‘batata’ da perna’) e evitar câimbras. “Em seguida, faça movimentos com os pés como se acelerasse e desacelerasse um carro. Isso contribui para o bombeamento do sangue para as extremidades”.

Para esquentar as mãos, o médico indica sentar em posição confortável ou mesmo em pé, deixando a palma de uma das mãos virada para cima “Com o polegar da outra mão, massageie a região do punho com movimentos circulares, e vice-versa”.

Já para pés e pernas, ele recomenda outro exercício. “De forma gradativa e repetidamente, fique na ponta dos pés e desça-os, mas sem tocar o chão”.

O QUE FAZER PARA TENTAR PREVENIR UMA CRISE?

Não espere a crise ficar intensa: aja nos primeiros sinais:

- Cuide bem do ambiente que passa a maior parte do dia: vede as entradas de ar para que o vento gelado não passe. Aproveite quando não estiver no ambiente para abrir e deixar o ar circular, evitando que vírus como da gripo se acomodem nele;

- Aqueça-se de todas as formas possíveis e durma bem agasalhado. As extremidades (pés, mãos e cabeça) são extremamente sensíveis. Por isso, gorros, meias e luvas são essenciais. E as costas: nunca deixe descoberta;

- Banhos quentes ajudam muito, assim como escalda-pés;

- Evite automedicação ou medicação em excesso.