• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Foi notícia: recorde de frio em Vitória, visita e ministro e homenagens às vítimas da BR 101

  • COMPARTILHE
Geral

Foi notícia: recorde de frio em Vitória, visita e ministro e homenagens às vítimas da BR 101

Entre os destaques da última semana está a morte de um capixaba em acidente envolvendo um avião monomotor. A aeronave caiu em uma área do estado de Roraima

Em meio a acidentes e suspensão dos trabalhos da Polícia Rodoviária Federal, os capixabas também tiveram uma semana bem fria. A passagem de uma massa de ar polar fez com que as temperaturas despencassem, sendo possível Vitória bater recorde de frio e termômetros de regiões como a do Caparaó marcar 5°C.

Mas logo na terça-feira (4), a família do médico oncologista Roberto Gomes, desaparecido há quase três anos, decidiu doar o acervo dele para uma instituição filantrópica. A exposição de todos os objetos e as vendas aconteceram até o último sábado (8), na antiga Oncoclínica, na Avenida Jones dos Santos Neves, em Vitória.

E para homenagear as vítimas da maior tragédia rodoviária do Espírito Santo, que aconteceu em Guarapari, a Polícia Rodoviária Federal (PRF), junto com o Superintendente Regional, Willis Lyra, e o Diretor Geral da PRF, inspetor Renato Dias, que esteve no estado, além de outros policiais, colocaram uma cruz onde o acidente aconteceu, fizeram uma oração e um minuto de silêncio.

Outro acidente que também marcou a semana do capixaba foi envolvendo um avião monomotor da empresa Paramazônia, que caiu na manhã de segunda-feira (03), em Roraima. Um capixaba estava entre os mortos. Para o velório, que aconteceu na última quinta-feira (6), o ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, veio ao Espírito Santo.

Além disso, A Polícia Rodoviária Federal (PRF) suspendeu, por tempo indeterminado, as atividades de escolta de cargas superdimensionadas em rodovias federais, policiamento e resgate aéreo, além de reduzir os deslocamentos terrestres e desativar unidades operacionais. Segundo a instituição, os cortes ocorrem devido à falta de dinheiro para “aquisição de combustível, manutenção e diárias [dos agentes]” e foram feitos para que “impactem o mínimo possível a atividade finalística do órgão e que possam ter reversão sem prejuízos à administração quando da recomposição orçamentária”.