• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Capixaba é indenizada em R$ 5 mil após falha em procedimento de clinica odontológica

  • COMPARTILHE
Geral

Capixaba é indenizada em R$ 5 mil após falha em procedimento de clinica odontológica

Além dos danos morais, a clínica também deve devolver os R$ 900,00 pagos pelo tratamento

Uma clínica odontológica de Linhares foi condenada a indenizar um paciente em R$ 5 mil por danos morais. 

De acordo com informações publicadas no site do Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES), o cliente teria sofrido com dores causadas por uma falha no procedimento. A empresa deve ressarcir a consumidora em R$ 900 pagos pelo serviço. O dentista responsável disse que desconhece o motivo da dor. Assim, a autora da ação se viu obrigada a procurar outro profissional, que detectou uma série de falhas no procedimento feito pela clínica.

A clínica foi obrigada a devolver os valores pagos pelo serviço, e buscando uma solução amigável para a controvérsia, a cliente procurou o Conselho Regional de Odontologia (CRO) do Espírito Santo que, após abertura de processo administrativo, concluiu que houve erro por parte do dentista.

Devidamente citada, a clínica não se manifestou e tampouco se fez representar por advogado devidamente constituído, levando o magistrado da 2º Vara Cível e Comercial de Linhares a jugar a causa à revelia dos fatos, ou seja, presumir verdadeiros os atos atribuídos à ré.

Para o Juiz, as faturas apresentadas comprovam que houve a cobrança dos valores pagos pelo tratamento, e que ele não foi prestado da forma como contratado. Em sua decisão, o magistrado destaca ainda que o dano experimentado pela requerente foi expressivo, pois a paciente foi obrigada conviver vários dias com dores por imperícia e negligência da requerida.

”A conduta da requerida, em não cumprir com os deveres de cautela inerentes de sua profissão, bem como a sua demora em solucionar a questão quando solicitada pela requerente, denota o seu ato relapso diante dos seus deveres profissionais”, concluiu o Juiz.