• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Guarapari decreta estado de emergência e calamidade pública por conta de erosão e marés altas

  • COMPARTILHE
Geral

Guarapari decreta estado de emergência e calamidade pública por conta de erosão e marés altas

Prefeitura vai antecipar início das obras de construção de um novo muro de arrimo para a próxima semana

O Município de Guarapari decretou estado de emergência/calamidade pública, por conta da ressaca (marés altas) que já ocasionou o desabamento do muro de arrimo da Orla de Meaípe.  O Prefeito Edson Magalhães editou  o decreto após receber da Defesa Civil e Secretaria Municipal de Obras relatório circunstanciado sobre o perigo gerado à população.

Edson Magalhães foi recebido pelo Governador do Estado na manhã desta quarta-feira (16). Na oportunidade mencionou sobre sua preocupação com a população local, bem como com os comerciantes que possuem seus empreendimentos no local onde ocorreu a tragédia.

O Prefeito, em conjunto com o Governador Paulo Hartung,  decidiu antecipar o início das obras para próxima semana de construção de um novo muro de arrimo. A decisão foi tomada após  um levantamento da situação, realizado pelo setor de engenharia da Secretaria Municipal de Obras Públicas. O novo muro de contenção deve ter aproximadamente 300 metros. 

De acordo com o prefeito Edson Magalhães, a construção do novo muro de arrimo, não se trata de uma obra provisória. Ao contrário, será concebido dentro dos critérios técnicos necessários e material de qualidade. 

 "A medida emergencial foi necessária para salvaguardar a segurança dos moradores e comerciantes da orla. É um dos balneários mais importante de Guarapari, que possuem seus restaurantes tradicionais e conhecidos pelo preparo da moqueca capixaba, tão importante para o turismo e geração de emprego e renda. Tal medida foi tomada para que o balneário volte o mais rápido possível a sua normalidade mercadológica e ações preventivas. Deixar uma obra dessa importância e dessa gravidade, paralisada por mais de 40 dias, corre o risco de nós termos um outro fenômeno da natureza, passando a atingir as edificações que estão no trecho que foi afetado”, informou.