• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Médico capixaba escreve livros para homenagear filhas e netos

  • COMPARTILHE
Geral

Médico capixaba escreve livros para homenagear filhas e netos

O médico, que é clínico geral e pneumologista, presenteou as duas filhas e os três netos com pequenos livros de poesias e sonetos

Um capixaba encontrou uma forma singela de homenagear as filhas e os netos. Noslen Salles, de 63 anos, é clínico geral e pneumologista, mas fora dos hospitais dedica parte do seu tempo a uma outra paixão: a literatura.

O primeiro poema foi escrito aos 15 anos e de lá para cá o médico não parou mais. O gosto pela arte também já o levou para a música, como cantor e compositor, além de permitir participações em algumas exposições.

A ideia de escrever livros começou com a chegada da primogênita Mariella, fruto do relacionamento com a esposa Suzana Salles. O pequeno livro de poemas chamado "Do pai para o filho no Espírito Santo" foi o primeiro. Quando a família aumentou com o nascimento da segunda filha, Marcella, Noslen escreveu um outro livro para homenageá-la e manteve a tradição com os três netos, Felippo, Henrico e Mallu. 

"Eu já fiz cinco livretos com poesias e sonetos. Dois foram para as minhas filhas, que é o "Do pai para o filho no Espírito Santo" e "Agora somos 4", quando nasceu a segunda. Tenho três netos e também fiz para todos eles. O primeiro foi o "Só netos, filhos com açúcar", para o Felippo. O segundo "Todo menino é um rei", para o Enrico e agora o último que é o "A primeira estrela de céu" para a Mallu", conta. 

O último foi para a primeira neta mulher e o nome é uma referência ao apelido carinhoso de "céu" que ele deu à filha. Os livros não são publicados, são apenas distribuídos para familiares e amigos mais próximos. Neles, o médico narra a gestação do primeiro ao último mês com todos os detalhes e carinho que um avô tem pelos netos. 

Apesar de não ter a intenção de publicá-los, Noslen cogita a possibilidade de reunir outras obras que estão guardadas para um projeto futuro. "Quando eu me aposentar totalmente, talvez tenha tempo de dar uma peneirada nisso tudo, em um projeto futuro. Tô achando que minhas filhas vão parar por aí, mas se tiverem mais filhos, tomara que eu tenha força para continuar fazendo. Enquanto isso eu vou tentando me manter vivo para poder curti-los", afirma.